privatização

Manifesto do Coletivo Nacional dos Eletricitários Contra a Privatização da ELETROBRAS

O Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), que integra a FNU, cita o apagão que ocorreu nessa quarta-feira (21/3), nas regiões Norte e Nordeste do País para criticar a possibilidade de privatização da Eletrobras.

Eletricidade

“O CNE entende que em um momento como esse ser oportuno montar um grupo de técnicos para analisar em paralelo as causas da ocorrência e do blecaute, assim como sobre as responsabilidades relacionadas, visto que a ocorrência poderá servir para nortear as decisões sobre o processo de privatização do grupo Eletrobras”, diz a entidade, em nota.

“As notícias que chegaram ao conhecimento do Coletivo Nacional dos Eletricitários dão conta de que o Bipolo 1 de Xingu estava operando com um fluxo de 4 Giga Watts. Este equipamento teve projeto, fornecimento, montagem, testes e colocação em operação pelos chineses da State Grid. A State Grid a grande interessada na privatização da Eletrobras”, denuncia o CNE.

“Por isso, é importante que seja realizada uma avaliação técnica em paralelo por um grupo especialmente constituído pelo Congresso Nacional, no âmbito das comissões dos projetos de lei que estão tramitando”, afirma a entidade.

Leia, abaixo, a nota na íntegra:

 

Ontem (21/03), parte do Brasil ficou às escuras, devido a um problema técnico ocorrido no Sistema Interligado Nacional – SIN. Tal problema traz à tona uma discussão necessária, que é sobre o processo de privatização do Setor Elétrico Estatal. É isso que o COLETIVO NACIONAL DOS ELETRICITÁRIOS – CNE quer aqui discutir.

As diversas manchetes não conseguiram traduzir o problema, e deram margem para todo o tipo de especulação, inclusive por parte do próprio ministro de minas e energia, Fernando Coelho, que como sabemos, pouco sabe sobre o setor, veja a notícia abaixo:

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse que o apagão ocorreu após uma falha na usina de Belo Monte, no Pará. A Centrais Elétricas do Pará (Celpa) informou que um problema na geração de energia da usina de Tucuruí, nordeste do estado, pode ter causado o apagão. (g1.globo.com – 21/03/2018 16h56 )

O problema se deu na Subestação Xingu, na saída do bipolo CC da Belo Monte Transmissora de Energia – BMTE que ao contrário do que se chegou a afirmar não pertence à Eletronorte e não é em Tucuruí. Segundo se apurou, foram durante testes na linha de transmissão que transmitia 4GW de carga houve, e que após uma falha, a linha acabou saindo de serviço, provocando uma reação em cadeia. Segundo o O.N.S em sua página Às 15h48 do dia 21/03/2018 ocorreu uma falha de um disjuntor na subestação Xingu, no Pará. Em consequência, houve o desligamento automático de diversas linhas de transmissão em 500 kV, componentes dos troncos de interligação Norte/Nordeste/Centro-Oeste, Tucuruí/Manaus, Tucuruí/Vila do Conde, Elo cc 800 kV Xingu/Estreito e da UTE Belo Monte, entre outros, acarretando uma redução total de carga no SIN, da ordem de 18.000 MW.

Como se vê, a empresa estatal Eletronorte não teve qualquer responsabilidade com o problema, pois a SE Xingu é operada e mantida pela concessionaria Linhas de Xingu Transmissora de Energia (controlada pelo Grupo Espanhol Isolux). Ja a LT (CC) +-800kV Xingu/Estreito é de responsabilidade da BMTE (a qual construirá ou construiu um Estação Conversora na SE Xingu), concessionária formada por State Grid 51% Furnas 24,5% e Eletronorte 24,5%.

O CNE entende que em um momento como esse ser oportuno montar um grupo de técnicos para analisar em paralelo as causas da ocorrência e do blecaute, assim como sobre as responsabilidades relacionadas, visto que a ocorrência poderá servir para nortear as decisões sobre o processo de privatização do grupo Eletrobras.

As inúmeras propostas de privatização da Eletrobras que chegaram ao congresso, tanto o PL 9463/2018, como a MP 814/2017 tratam o tema Energia Elétrica como mercadoria, e isso vem sendo denunciado pelos trabalhadores através das campanhas publicitárias, dos debates, das mobilizações que tem feito em todos os cantos do país.

O apagão que houve no dia de ontem deve levar em consideração, por exemplo:

1 – A extensão da ocorrência;

2 – Os interesses diversos decorrentes do envolvimento e as responsabilidades de diversos agentes privados e estatais de G, T e D, dentre os quais principalmente a gigantesca chinesa State Grid;

3 – O ONS com relação aos estudos sistêmicos, programação e operação sistêmica;

4 – A Empresa de Pesquisa Energética – EPE e Aneel envolvidas no planejamento, consequentemente, também as obras que não foram realizadas de Transmissão devido aos 5000 km de LTs não construídos pela ex-gigantesca privada Abengoa;

5 – Os sinais da imprensa de omissão de informações sobre :
• A responsabilidade pela concessão da subestação Xingu;
• O tempo de operação do equipamento (novíssimo);
• O responsável pelo projeto e fornecimento dos equipamentos da SE Xingu;
• Responsável pelo O&M da Subestação Xingu;

As notícias que chegaram ao conhecimento do Coletivo Nacional dos Eletricitários dão conta de que o Bipolo 1 de Xingu estava operando com um fluxo de 4 Giga Watts. Este equipamento teve projeto, fornecimento, montagem, testes e colocação em operação pelos chineses da State Grid. A State Grid a grande interessada na privatização da Eletrobras.

Por isso, é importante que seja realizada uma avaliação técnica em paralelo por um grupo especialmente constituído pelo Congresso Nacional, no âmbito das comissões dos projetos de lei que estão tramitando.

Toda essa situação demonstra que privatizar um setor estratégico e deixar a vida da população, a economia, a indústria é a pior das escolhas para o nosso país. A ANEEL impõe pesadas multas às empresas nacionas, quando acontecem eventos dessa natureza, todavia, a informação que recebemos é que não haverá multa para a empresa do grupo State Grid.

Isso nos faz lembrar, os desastres naturais que houveram recentemente em Mariana, no Pará, onde ainda não se chegou aos culpados. A energia elétrica não pode ser visto somente como mercadoria, da forma como o governo está vendo, e servir apenas para fechar o rombo fiscal criado pelo próprio governo, e que agora começa a mostrar o quanto ficaremos vulneráveis.

COLETIVO NACIONAL DOS ELETRICITÁRIOS – CNE
ENERGIA NÃO É MERCADORIA.

Um pensamento sobre “Manifesto do Coletivo Nacional dos Eletricitários Contra a Privatização da ELETROBRAS

  1. Pingback: Manifesto do Coletivo Nacional dos Eletricitários Contra a Privatização da ELETROBRAS | Luíz Müller Blog | BRASIL S.A

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s