Fascismo

A Fotografia do Agronegócio (artigo de Frei Sérgio Görgen)

chicote-Large-768x512

(arte sobre foto de Guilherme Santos / Sul21)


*Frei Sérgio Antônio Görgen ofm

Durante a Caravana Lula pelo Rio Grande do Sul, uma foto rodou o mundo.

Capturada em Santa Maria, quando ruralistas tentaram impedir o Presidente Lula de chegar à Universidade Federal, a foto é uma síntese do que há de pior no agronegócio brasileiro.

A foto é emblemática.

Na cabeça o ruralista carrega um chapéu com a marca da “Bayer”, maior multinacional de venenos agrícolas do mundo, tendo recentemente adquirido a Monsanto, maior empresa de sementes transgênicas viciadas em venenos fabricados por ela mesma.
Na cabeça, mente tomada e colonizada pelas multinacionais da comida envenenada.

Na mão o chicote escravocrata. Precisa submeter pela força a rebeldia dos que não concordam e não se submetem. O chicote é o símbolo de um poder que construiu e manteve o latifúndio até hoje, desde a escravidão até às formas atuais de exploração do trabalho e submissão das pessoas.

Necessário ressaltar, para evitar superficialidades que a nada servem, que há os que “são do” agronegócio – mercado financeiro, multinacionais da indústria química, tradings comercializadoras de grãos, indústria de máquinas, grandes latifundiários – e os que “estão no” agronegócio, por necessidade, por falta de outras oportunidades, por ganância, por ilusão de serem grandes. Neste segundo time, médios e até pequenos, empurrados pela onda, pela propaganda e pela falta de opções. Estes são também vítimas do “chapéu da bayer” e do “chicote escravocrata”, embora nem sempre o percebam.

A foto é emblemática do que há de pior neste modo de modernizar o latifúndio atrasado. Suposta modernidade tecnológica colada no atraso cultural e social, unidos no mundo real, e agora, eternizado nesta fotografia.

Neste momento da história brasileira, é o agronegócio latifundiário, cabeça de ponte do fascismo em terras brasileiras, alinhados cegamente a Bolsonaro.

E que não se esqueça também que a tal “bayer”, que “usa e faz a cabeça” do fascismo ruralista, foi um dos sustentáculos da Alemanha Nazista fornecendo munição ao exército de Hitler.

Os Movimentos Camponeses responderão ao “chicote” com mais e mais firmes mobilizações pela Reforma Agrária Popular e pela implantação do Plano Camponês.

 

*Frei Franciscano, militante do MPA

Um pensamento sobre “A Fotografia do Agronegócio (artigo de Frei Sérgio Görgen)

  1. Pingback: A Fotografia do Agronegócio (artigo de Frei Sérgio Görgen) | Luíz Müller Blog – ESPANTALHO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s