América Latina

Grande ato de Solidariede Latino Americana a Nicarágua e a FSLN em Santiago do Chile

Presente na iniciativa solidária em Santiago, a embaixadora nicaraguense no Chile caracterizou a tentativa de golpe de Estado no seu país como um «golpe brando de última geração».

Da Revista AbrilAbril

Para além de actos de solidariedade com a Revolução Sandinista, no seu 39.º aniversário, o final desta semana ficou marcado por uma manifestação, em Manágua, para exigir justiça para as vítimas da «violência terrorista»Créditos/ El 19 Digital

Num acto pleno de emoção, em Santiago do Chile, familiares de combatentes internacionalistas, partidos políticos e grupos de amizade fizeram questão de deixar clara a solidariedade com a Revolução Sandinista, a propósito do seu 39.º aniversário, que uma maré humana celebrou, no passado dia 19, na capital da Nicarágua, Manágua.

Presentes no Mausoléu dos Combatentes do Amor e da Esperança, este domingo, estiveram elementos da Corporación Memoria y Lucha Popular, do Comité Chileno de Solidaridad con Nicaragua, da Unión Bicentenaria de los Pueblos-Capítulo Chile e da Coordinadora de Solidaridad con Cuba.

Para além disso, refere a Prensa Latina, artistas e diplomatas de diversos países deixaram expresso o seu apoio a uma solução pacífica e sem ingerências estrangeiras dos problemas internos no país centro-americano.

Ao intervir na iniciativa, a embaixadora da Nicarágua no Chile, María Luisa Robleto, agradeceu a «solidariedade incondicional» que, proveniente do Chile e de outros pontos do mundo, os nicaraguenses puderam sentir desde o início.

A trama do golpe: os milhões da NED e «estudantes» a pedir apoio em Washington

LER MAIS

Agradecendo de forma especial à «heróica Cuba», aos «irmãos salvadorenhos» e à «Venezuela que resiste», Robleto lembrou igualmente o apoio do Partido Comunista do Chile, do Movimiento Salvador Allende e dos partidos da Frente Ampla.

Sobre o golpe de Estado que o seu país enfrenta, a embaixadora caracterizou-o como sendo um «golpe brando de última geração, com violência, terrorismo, ingerência externa e cumplicidade local de sectores políticos, empresariais e alguns membros da hierarquia da Igreja Católica».

De «forma hipócrita», a «conspiração armada» que a Nicarágua enfrenta tem sido apresentada como «resistência pacífica», sublinhou, acrescentando que é «financiada por forças internas antidemocráticas» e «por forças externas que se podem identificar».

María Luisa Robleto explicou ainda que, com a participação dos cidadãos, se conseguiu retomar o controlo do país e continuam vigentes os apelos à reinstalação da Mesa de Diálogo Nacional e à Igreja para que afaste dessa Mesa «os bispos que conspiraram abertamente com a oposição», indica a Prensa Latina.

Milhares de nicaraguenses exigem justiça

No final de uma semana marcada pelo 39.º aniversário do triunfo da Revolução Sandinista e pelas grandes mobilizações que o assinalaram, milhares de nicaraguenses mobilizaram-se, este sábado, em Manágua, para exigir «justiça e reparação para as vítimas do terrorismo golpista».

«Assassinos, delinquentes» foi uma das palavras de ordem que a multidão gritou para repudiar a intentona golpista da direita, com a cumplicidade de membros da Igreja Católica, e o apoio declarado do imperialismo norte-americano.

«Onde estavam os bispos quando nos massacravam? Porque não apareceram quando nos matinham sequestrados?», perguntaram alguns dos participantes na mobilização, citados pela Prensa Latina, ao denunciarem a parcialidade de alguns prelados na Mesa de Diálogo Nacional a favor da chamada Alianza Cívica para la Justicia y la Democracia (oposição de direita).

Criticando a manipulação mediática orquestrada por órgãos privados afins a grupos empresariais e à direita, os manifestantes «pediram castigo para quem cometeu crimes, bem como para os membros da oposição que promoveram a violência e o ódio».

Desfilando com fotos de vítimas da «violência terrorista» e cartazes, os manifestantes gritaram ainda palavras de ordem «Nicarágua quer paz, Daniel (Ortega) fica», «Pátria Livre ou Morrer», «Não eram estudantes, eram delinquentes».

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s