Uncategorized

Bolsonaro usa metáforas para fazer seguidores atentarem contra a democracia

No artigo “Cena macabra de Bolsonaro antecipa campanha sem Lula”

Paulo Moreira Leite sinaliza o que esta por acontecer no Brasil, onde o judiciário abandonou seu papel de mediador e intérprete da Constituição para se transformar em instrumento ideológico dos interesses do capital financeiro e da própria corporação de Juízes e procuradores. O Nazifascismo já não se expressa só em mentiras e xingações na internet, mas sobe ao palco dos comícios para representar o fuzilamento dos adversários. Não é brincadeira. É muito sério…e trágico. Segue o artigo do Paulo Moreira Leite

Reprodução/vídeo

A cena ocorrida no palanque eleitoral de Rio Branco, no Acre, onde Jair Bolsonaro simulou o massacre de petistas com tiros de metralhadora, é um efeito  previsível do veto do TSE à presença de Lula na campanha, decisão oficializada menos de 48 horas antes em sinistra decisão do TSE.

O impacto real da medida foi diagnosticado pelo colunista Bernardo Mello Franco, do Globo: “concorde-se ou não com o resultado, a sessão do TSE será lembrada como a maior interferência do Judiciário numa sucessão presidencial desde o fim da ditadura”.

Em junho de 1964,  a ditadura se consolidou quando Castello Branco cassou os direitos políticos de Juscelino Kubitschek, deixando claro que  o compromisso inicial de respeitar calendário eleitoral que previa eleições diretas para outubro de 1965 jamais seria cumprido. O resto foi decorrência, inclusive a institucionalização da perseguição à oposição, que logo iria incluir a tortura sistemática de prisioneiros,  e o cancelamento de eleições para presidente, que só voltariam em 1989.

Em agosto de 2018, quando o país enfrenta uma semi-ditadura, “a maior interferência do Judiciário numa sucessão presidencial”  é acima de tudo uma operação politicamente dirigida, o ato mais recente de uma sequencia que teve início em 2005, com a AP 470, conhecida como Mensalão. Embora Lula tenha direito a recorrer, com um pedido de liminar a ser apresentado no Supremo Tribunal Federal, a cena de Rio Branco mostrou, menos de 48 horas depois do 6 a 1 no TSE,  que seu primeiro efeito foi diminuir inibições e liberar os piores instintos do fascismo na campanha presidencial.

Viu-se no palanque  uma encenação despudorada, sem freios nem inibições, típica de quem já comemora a chegada da barbárie como etapa seguinte à avacalhação geral.

Para empregar uma imagem literária clássica, pode-se dizer que a selvageria no palanque é comparável à uma célebre frase do romance “Irmãos Karamazov”, de Dostoievsky,  no qual um personagem sublinha o caráter civilizatório da religião em sociedades culturalmente atrasadas com uma frase que se tornou referência universal: “Se Deus não existe, tudo é permitido”.

(A frase, obviamente, não deve ser tomada no sentido literal nem religioso. Mas basta substituir a palavra “Deus”por “soberania popular” para se entender o drama à espreita do Brasil em 2018).

Nunca é demais lembrar que o início do processo que levou ao veto  a Lula é a condenação  precária do tríplex, que contraria a documentação disponível nos autos. No meio do caminho, aboliu-se o transito em julgado para o cumprimento de sentença penal condenatória, como exige o artigo 5 da Constituição.  Já a cena de 6a. feira  afronta  uma decisão da Organização das Nações Unidas com base num Pacto no qual o Congresso, um dos três poderes da República, reconhece valor de lei.

Contra tudo isso, a candidatura Lula, mesmo na prisão, se afirmou como  escolha democrática de 40% dos brasileiros. Barbada nas urnas, quem sabe no primeiro turno.

Graças à “maior intervenção desde a ditadura”, não  é de espantar que Bolsonaro tenha exibido o novo estado de ânimo na primeira oportunidade.

Antes do 6 a 1, era obrigatório  registrar seu esforço para assumir uma postura mais discreta, após sucessivos vexames em aparições mais recentes.

Até o economista Paulo Guedes, encarregado de atuar como uma espécie de tutor ideológico, acabou atrapalhando ao revelar ao país inteiro que o plano de Bolsonaro é “seguir o que Temer vem fazendo, só que mais rápido”.

A violência encenada no domingo é a festa do liberou geral.

Alguma dúvida?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s