Fascismo

A queima de livros do nazismo já dá sinais de fumaça aqui

Bücherverbrennung é o “palavrão” em alemão para designar os vários festivais de queima de livros durante o período nazista.

Ainda não chegamos lá, mas a escalada é apavorante.

Um general da turma de Jair Bolsonaro quer eliminar – sim, é este o verbo que usou – livros “que não tragam a verdade sobre 64”. É, por ironia, o responsável pelas políticas de educação, ciência e tecnologia.

Depois, um colégio da Zona Sul carioca tirou das leituras dos seus alunos o livro “Meninos Sem Pátria”, sobre a vida de crianças que tiveram de sair do país com os pais exilados pelo regime militar.

A seguir, dois energúmenos arrancam uma placa de homenagem à memória da assassinada Marielle Franco e o próprio filho do candidato justifica o vandalismo dizendo que restauraram apenas o “Marechal Floriano” que dá nome à praça.

Agora, são livros sobre o tema “Direitos Humanos” que são rasgados na Universidade de Brasília.

É o caso de perguntar aos militares onde anda aquela frase que se usava nas propagandas da Biblioteca Central do Exército: “um país se faz com homens e livros”.

Serão só os que sobrarem de ir para a fogueira, do  Bücherverbrennung?

E quando forem seres humanos que forem queimados em praça pública?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s