Uncategorized

Desemprego, trabalho informal e desigualdade cresceram no ano passado

Em dois anos de governo golpista, país “ganhou” 6,2 milhões de desempregados e 1,2 milhão de informais. Brancos ganham 72% a mais do que negros e homens recebem 30% a mais que mulheres.
Bolsonaro vai usar isto como argumento pra implementar a tal Carteira Verde Amarela, que como ele mesmo deixa claro, é para proteger “o patrão que no Brasil sofre muito”. Ou seja, Bolsonaro usará do desastre que foi o Governo Temer para o povo como argumento pra legalizar a precariedade no trabalho. E com a liquidação da Fiscalização do Trabalho, que será “incorporada” pelo Ministério da Fazenda, mesmo o trabalho escravo proibido na lei, mas muito frequente no norte e centro-oeste e no Estado de São Paulo, agora vai se espalhar por todos os demais Estados. E para evitar que os trabalhadores sejam chamados a resistir diante dos ataques, os Sindicatos foram colocados sob o controle de Moro e de sua polícia política. Publico a seguir artigo da  Rede Brasil Atual sobre o tema do desemprego e da informalidade cada vez mais escancarado nas pesquisas do IBGE:
TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL
Desemprego e informalidade

Desemprego entre pretos/pardos, historicamente superior, atingiu maior diferença, com taxas de 14,7% e 10%, respectivamente

São Paulo – No mercado de trabalho, o desemprego subiu para 12,5% em 2017. Era de 6,9% em 2014. Ou seja, aumentou significativamente depois do impeachment. São 6,2 milhões de desempregados a mais no período, para 13,1 milhões. Os dados são da Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada hoje (5) pelo IBGE, que mostrou aumento da pobreza no ano passado.

O desemprego entre pretos/pardos, historicamente, sempre foi maior que o de brancos. Mas em 2017 atingiu a maior diferença. Essas taxas foram de 14,7% e 10%, respectivamente.

A taxa de desocupação cresceu em todas as regiões no ano passado. Chegou a 14,7% no Nordeste (ante 8,5% em 2014). Passou de 7,5% para 11,9% no Norte, de 7% para 13,3% no Sudeste, de 4,3% para 8,3% no Sul e de 6% para 10,5% no Centro-Oeste. Também subiu em todas as faixas etárias, atingindo 22,6% entre os que têm de 14 a 29 anos. E pela primeira vez ultrapassou os 4% entre as pessoas com 60 anos ou mais. Até 2014, ficou abaixo de 2%.

O trabalho informal atingiu 37,3 milhões, 40,8% da população ocupada, ou dois em cada cinco trabalhadores. São 1,2 milhão a mais desde 2014, quando a informalidade atingia 39,1% dos ocupados.

 

O salário médio dos trabalhadores brancos foi de R$ 2.615 no ano passado, 72,5% a mais do que o recebido por pretos e pardos (R$ 1.516). Já os homens (R$ 2.261) ganhavam 29,7% a mais que as mulheres (R$ 1.743).

O rendimento médio habitual (R$ 2.039) cresceu 2,4% em termos reais de 2012 a 2017. Empregados sem carteira assinada recebiam R$ 1.158, o equivalente a 56,8% dos que tinham carteira (R$ 2.038).

O número de trabalhadores cresceu 3,1% de 2012 a 2014, caindo 1,1% nos três anos seguintes. Considerando todo o período (2012 a 2017), as atividades que mais perderam mão de obra foram agropecuária (-15,9%), administração pública (-12,14%), indústria (-7,9%) e construção (-6,4%). Os serviços tiveram comportamento oposto, recuando 2,9% até 2014 e crescendo 3,7% depois.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s