corrupção

Bolsonaro confessa saber das tretas e prepara Queiroz pra “Boi de Piranha”

Queiroz  sumido foi providencial para a posse de Bolsonaro, para construir uma versão bufa sobre  acertar quanto o Queiroz vai levar para ser “boi de piranha”. Bolsonaro diz que sabia que Queiroz “fazia rolo”. Mesmo assim os bolsonaro sempre o tiveram em alta confiança. “Fazer rolo” é corrupção. E quem protege corrupto… E o  COAF agora protegerá os amigos e vazará muito, até mesmo mentiras, contra os inimigos. É o método Moro de vazamento setivo.
Para quem não sabe: Boi de Piranha é é uma expressão popular  que diz que  uma situação onde um bem menor e de pouco valor é sacrificado para que em troca outros bens mais valiosos não sofram dano. (tendeu?)
Segue Matéria de O GLOBO
Presidente comentou justificativa apresentada por ex-assessor de seu filho sobre movimentação de R$ 1,2 milhão
O presidente Jair Bolsonaro concede entrevista ao SBT Brasil Foto: Reprodução
O presidente Jair Bolsonaro concede entrevista ao SBT Brasil Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em entrevista exibida pelo “SBT” nesta quinta-feira, que sabia que Fabricio Queiroz, ex-assessor do seu filho Flávio, vendia carros e “fazia rolo”. Queiroz disse que a venda de automóveis era responsável por movimentação de R$ 1,2 milhão em um ano, apontada como atípica pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

— Ele falou que vendia carros, eu sei que ele fazia rolo. Agora, quem vai ter que responder é ele. O Coaf fala em movimentação atípica, isso não quer dizer que seja ilgal, irregular. Pode ser — comentou.

Bolsonaro disse que Queiroz “sempre gozou de toda confiança” dele, mas ressaltou que prefere não entrar em contato com ele após a resolução do caso.

— Até que ele prove o contrário, não pretendo conversar com ele. Até porque, se eu for conversar com ele, vão falar que eu estou tentando aconselha-lo de uma coisa ou de outra. Não quero contato com ele até que isso venha a ser esclarecido.

Queiroz recebeu sistematicamente em suas contas bancárias transferências e depósitos feitos por oito funcionários que foram ou estão lotados no gabinete parlamentar de Flávio na Alerj. A suspeita é que o caso constitua desvio dos salários dos assessores, mas até agora não há provas que envolvam Flávio Bolsonaro em irregularidade.

Entre as movimentações atípicas registradas pelo Coaf, há também a compensação de um cheque de R$ 24 mil pago à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, além de saques fracionados em espécie. O presidente eleito afirma que o cheque é parte do pagamento de uma dívida de R$ 40 mil.

O ex-assessor faltou duas vezes a depoimento marcado no Ministério Público Federal para esclarecer a movimentação financeira, alegando problema de saúde. Em entrevista ao SBT, Queiroz disse que o valor em dinheiro que movimentou em suas contas é fruto da compra e venda de veículos usados e que um câncer o impossibilitou de prestar depoimento.

Ele não explicou por que recebeu tantos depósitos de assessores de Flávio em sua conta e nem a origem do dinheiro. Limitou-se a dizer que vai esclarecer o assunto para o Ministério Público.Na entrevista, o ex-assessor também procurou eximir de responsabilidade Jair Bolsonaro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s