Uncategorized

Desilusão e mudança de foco dos EUA para o Irã levou Guaidó a negociar com Maduro

Foi uma aposta ousada: Juan Guaidó, o líder da oposição na Venezuela, se posicionou perto de uma base militar ao lado de dezenas de oficiais uniformizados e aliados políticos, pedindo um levante militar contra o ditador Nicolás Maduro.

Matéria da Folha de São Paulo

Três semanas depois, Guaidó está mudando de esconderijos para escapar da captura. A maioria dos homens que estavam com ele diante da base naquele dia, e muitos dos legisladores que o apoiam, hoje estão na cadeia ou abrigados em embaixadas estrangeiras. Soldados habitualmente fecham a Assembleia Nacional que Guaidó lidera.

O líder opositor Juan Guaidó durante discurso em Guatire, Venezuela, no sábado (18) – Ivan Alvarado/Reuters

​E os protestos que encheram as ruas de seguidores de Guaidó estão diminuindo conforme os venezuelanos, que se debatem com uma economia em colapso e escassez de alimentos, gasolina e remédios, voltam à tarefa de sobreviver.

Enfraquecido e incapaz de dar uma solução rápida à crise política que paralisa a Venezuela, Guaidó foi obrigado a considerar negociações com Maduro, o homem que ele prometeu tirar do poder. Os dois lados enviaram representantes à Noruega para conversas, uma concessão que Guaidó havia rejeitado antes.

Em público, Guaidó continua animado e firme. Em comícios rápidos na capital, Caracas, ele implora para que seus apoiadores continuem os protestos. Mas durante uma entrevista ele admitiu que a capacidade operacional da oposição está prejudicada.

“A perseguição foi selvagem”, disse Guaidó no hall vazio de uma das casas que ele usa.

Mais de 50 países –incluindo Estados Unidos, Canadá e a maioria dos membros da União Europeia– reconheceram Guaidó como o presidente legítimo do país em janeiro, chamando de fraudulenta a reeleição de Maduro para o segundo mandato.

Desde então, vários países que apoiam Guaidó expressaram uma abertura a outras abordagens para pôr fim à paralisia política na Venezuela –uma grande mudança dos urgentes pedidos internacionais para a deposição de Maduro, quatro meses atrás.

Em uma entrevista em abril, Elliott Abrams, enviado especial do governo dos Estados Unidos à Venezuela, disse que para que uma transição democrática funcione todos os venezuelanos devem participar, incluindo os que continuam leais a Maduro.

Guaidó tenta derrubar ditadura de Maduro
Guaidó tenta derrubar ditadura de Maduro

“Eles fazem parte da cena política da Venezuela”, disse Abrams. “Por isso estamos apenas tentando deixar claro que realmente queremos uma Venezuela democrática. Não estamos escolhendo vencedores.”

O presidente Donald Trump desde então desviou seu foco internacional para o Irã, afastando por enquanto qualquer esperança que membros da oposição teriam de conseguir apoio militar dos Estados Unidos.

Desiludidos de uma solução rápida, os aliados europeus de Guaidó redobraram esforços para conseguir um pacto negociado entre a oposição e o governo, movendo a frente principal na batalha política da Venezuela para a arena diplomática, segundo Félix Seijas, diretor da firma de pesquisas Delphos, de Caracas, que assessora a oposição.

Na semana passada, enviados dos dois lados viajaram à Noruega para se encontrar com representantes para negociações preliminares, segundo autoridades dos dois lados.

Em um discurso a trabalhadores do setor público na quinta-feira (16), Guaidó disse que aceitou as negociações, mas reafirmou: “Não vamos nos prestar a negociações falsas”. Ele disse que o objetivo continua sendo remover Maduro, estabelecer um governo de transição e convocar eleições livres e justas.

Guaidó também se reuniu na semana passada com diplomatas europeus que representam o Grupo de Contato Internacional para a Venezuela, que tem trabalhado para garantir novas eleições no país. E, em tentativas separadas para encontrar um terreno comum sobre a Venezuela com os maiores apoiadores de Maduro, o ministro das Relações Exteriores do Canadá viajou a Cuba e o secretário de Estado americano foi à Rússia.

Maduro também foi enfraquecido pela tentativa de levante de Guaidó. Seu chefe da inteligência policial desertou, e os Estados Unidos afirmam que autoridades graduadas, como os ministros da Defesa e da Justiça, estiveram envolvidos no complô.

As sanções dos Estados Unidos estão arrasando o vital setor petrolífero e as importações da Venezuela, tornando cada vez mais difícil para Maduro governar. O país basicamente parou durante o fim de semana por falta de combustível –o que Maduro atribui às sanções americanas.

Seis anos de recessão, porém, tornaram Maduro hábil em administrar, senão resolver, crises em cascata.

Agora ele está apostando que a repressão e o cansaço vão destruir o apoio a Guaidó antes que as sanções forcem seu governo a deixar o poder, disse Seijas.

“O governo sente que o tempo está a seu favor, e eles não estão necessariamente errados”, afirmou Seijas.

“Nenhum lado pode tirar o outro à força, mas o governo sente que a situação é algo que pode administrar e controlar.”

Líderes de oposição disseram que continuarão trabalhando para depor Maduro e montar um governo de transição a partir dos esconderijos e embaixadas onde eles se abrigaram.

“O objetivo agora é não se tornar um mártir político sendo preso”, disse Juan Andrés Mejía, deputado do Partido Vontade Popular, de Guaidó, que se escondeu depois que o governo o privou da imunidade parlamentar, na semana passada. “O objetivo é instalar um governo de transição. Estou concentrado agora em garantir que o trabalho que começamos não pare.”

Mas é difícil para membros da oposição escondidos manterem o trabalho de base que, segundo eles, é essencial para manter o apoio popular. E depois do fracasso da rebelião seu objetivo de remover Maduro parece mais distante, segundo o vice-chefe de gabinete de Guaidó, Rafael del Rosario.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s