Uncategorized

Novo satélite para o Inpe é uma “cloroquina espacial”

O novo “sistema” que o Ministério Defesa pretende instalar é uma “cloroquina espacial”, adverte Gilberto Câmara, ex-chefe do Inpe de 2006 a 2013 e atualmente diretor do secretariado do Grupo de Observações da Terra (GEO), órgão é vinculado às Nações Unidas 26/08/2020 13h08 Site do PT

Um satélite para “chamar de seu”, desnecessário e ineficiente

O governo anunciou a compra de um novo satélite para realizar monitoramento especial na Amazônia. Sem edital divulgado, nem identificação de possíveis fornecedores, o investimento previsto é de R$ 145 milhões. Ao mesmo tempo, o governo zerou o orçamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) para 2021. Segundo especialistas, o novo novo satélite é desnecessário, pois o instituto já cumpre a função com eficiência. A iniciativa é mais um agrado aos militares, a exemplo do dinheiro público jogado fora para produzir cloroquina no laboratório do Exército.

O novo “sistema” que o Ministério Defesa pretende instalar é uma “cloroquina espacial”, adverte Gilberto Câmara, ex-chefe do Inpe de 2006 a 2013 e atualmente diretor do secretariado do Grupo de Observações da Terra (GEO), órgão é vinculado às Nações Unidas. Para o especialista, o satélite não traz nenhuma evidência de que executa sua função com a eficiência anunciada. Além disso, segundo ele, há tecnologias gratuitas de monitoramento por satélite com melhor desempenho, afirmou em entrevista ao jornal Estadão.

O equipamento que o governo pretende comprar é conhecido como sistema de micro satélites da constelação Iceye. Trata-se de um satélite para “olhar gelo”, desenvolvido na Finlândia, ou seja, com alcance “visual” limitado, segundo o especialista. Para Câmara, o sistema não tem capacidade de penetrar abaixo da copa das árvores para efetuar a coleta de dados necessários. Ainda segundo ele, o sistema anunciado pelo Ministério da Defesa levaria mais de dois meses para rastrear a Amazônia. Atualmente, com tecnologia própria, o Inpe realiza a mesma tarefa em apenas três dias.

“O Brasil é 1º mundo nessa área”, atesta Gilberto Câmara, questionando a compra do novo satélite e os ataques ao Inpe e seus técnicos e aos dados produzidos pelo instituto. “O monitoramento feito aí tem o respeito de todos países que integram o GEO. Todo o mundo conhece a seriedade do trabalho do Inpe”, diz. Segundo Câmara, o trabalho realizado pelo Inpe é reconhecida=o no Japão, na China, nos Estados Unidos e na Rússia. “É uma coisa que ninguém questiona”, argumenta ele, em matéria do Brasil de Fato.

O projeto GEO – Group on Earth Observations (Grupo de Observações da Terra) – é uma rede global de órgãos governamentais, instituições acadêmicas e empresas de 105 países voltada para a busca de soluções inovadoras para gestão de informações. Hoje à frente do GEO, Câmara é um dos principais responsáveis pela criação do sistema de alertas de desmatamento Deter, alvo do governo. Em sua gestão, desenvolveu software de código aberto, com acesso livre, afirmado o papel do Inpe na monitoramento e distribuição de imagens da região.

O novo satélite é o desdobramento da campanha patrocinada pelo governo contra o Inpe, que já resultou no afastamento de seu diretor e outros técnicos. Desde que assumiu, o governo colocou em xeque a veracidade dos dados do instituto, apesar de o órgão ser reconhecido internacionalmente pela qualidade das informações produzidas.  Bolsonaro e os militares querem um satélite para “chamar de seu” para controlar os dados ambientais e monitorar a região de acordo com suas alianças geopolíticas.

Da PT com informações do Brasil de Fato

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s