Uncategorized

Carne engorda o agronegócio mas some do prato dos trabalhadores brasileiros

Verdadeiro mercado para o produto, 70% da proteína animal produzida no país é consumida no mercado interno. Em resumo, sem renda, o brasileiro esta retornando aos tempos pré-governos Lula em que comer carne era um luxo da classe média e dos ricos, sobrando pé-de-frango aos pobres 

O dilema do mercado da carne

Arroba bovina supera R$ 300 e tem novo recorde, mas desempenho interno da carne preocupa, informou matéria da Reuters, nesta quinta-feira, 4. A chamada aponta a contradição da atual e desastrada política econômica, onde apenas o agronegócio e os bancos ganham. Ao povo, sem emprego ou auxílio emergencial, resta abandonar definitivamente o consumo de carne. As consequências, no entanto, acabam afetando toda a economia e os verdadeiros interesses do país.

“O preço da carne descolou do boi”, disse a diretora da consultoria Agrifatto, Lygia Pimentel, citada pela matéria da Reuters. Segundo ela, por um lado os frigoríficos conseguem remunerações elevadas com compradores internacionais, impulsionadas pelo câmbio. De outro, o enfraquecimento do poder de compra da população em meio à pandemia e o fim do auxílio emergencial travam o avanço das cotações da proteína.

A ganância pelo lucro de exportadores e a fome do governo por dólares na balança comercial esbarram na realidade do país. Verdadeiro mercado para o produto, 70% da proteína animal produzida no país é consumida no mercado interno. Em resumo, sem renda, o brasileiro está retornando aos tempos pré-governos Lula em que comer carne era um luxo da classe média e dos ricos, sobrando pé-de-frango aos pobres.

Enquanto o preço sobe no mercado externo, o poder de compra interno é cada vez menor. Na contramão do desastre atual, durante os primeiros sete anos do governo Lula, segundo registrou o jornal Estadão, o consumo de carne teve alta de R$ 500 bi. O consumo das famílias saiu de R$ 1,47 trilhão em 2002 para R$ 1,97 trilhão no ano passado (2010), apontou o jornal. O cálculo foi feito pela MB Associados com base nos dados divulgados à época pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“O que assombra muito é o mercado interno”, destaca o diretor da especializada Scott Consultoria, também ouvida pela Reuters. De acordo com o consultor, “para a economia voltar à atividade precisaríamos ter resolvido o problema da pandemia, ter a vacina (para todos), e estamos patinando nessa questão… o desemprego ainda atrapalha mais”. A expectativa das exportações para este ano é de que o recorde de 2 milhões de toneladas em 2020 seja superado, com 2,14 milhões de toneladas, alimentado pelo mercado chinês.

DO PT

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s