Uncategorized

TSE admite tardiamente que Dilma não cometeu crime de responsabilidade, mas omite que STF validou o golpe

Presidente do TSE admite tardiamente que Dilma não cometeu crime de responsabilidade, mas omite que STF convalidou o golpe

Conforme denunciaram juristas, políticos, jornalistas, militantes dos movimentos sociais e inúmeras personalidades o impeachment da presidenta Dilma em 2016 foi um golpe de Estado, similar por sinal ao que ocorreu no Paraguai quatro anos antes. Na segunda-feira, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do STF Luís Roberto Barroso admitiu que “não deve haver dúvida razoável de que” a ex-presidente Dilma Rousseff “não foi afastada por crimes de responsabilidade, nem por corrupção, mas, sim, foi afastada por perda de sustentação política”.

Ou seja, em outras palavras (que Barroso evitou) o que houve em 2016 foi um golpe de Estado. A existência de um crime de responsabilidade é condição necessária para o impeachment, uma exigência legal.

Inventaram e tipificaram arbitrariamente um suposto novo crime, batizado de pedalada fiscal, que já tinha sido praticado por vários presidentes e governadores antes da presidenta petista, inclusive o empolado Fernando Henrique Cardoso.

O impeachment foi o invólucro com o qual o golpe foi revestido. A discrição do ministro com as palavras tem uma razão. Ele e a maioria dos juízes do Supremo Tribunal Federal (STF) convalidaram o golpe, numa conduta que o ex-presidente caracterizou como covarde.

Barroso, adepto do lavajatismo e considerado um “neoliberal progressista” (uma contradição em termos), complementou o raciocínio sobre o governo Dilma comentando que “afastá-la por corrupção depois do que veio, do que se seguiu, seria uma ironia da história”. 

A este respeito, ele tem toda a razão. O golpe foi viabilizado pelo então presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, que na sequência foi preso por currupção, e abriu caminho para o governo de Michel Temer, um político envolvido até a medula com negociatas e transações obscuras e bilionárias associadas ao financiamento de campanhas políticas.

Mas a agenda e os motivos reais do golpe e dos golpistas eram outros. Tratava-se de impor um projeto político de restauração neoliberal fundado na depreciação da força do trabalho e na redução dos investimentos públicos.

Esses objetivos foram consumados através das reformas trabalhista e previdenciária, da terceirização irrestrita e da EC 95, que estabeleceu o congelamento dos gastos públicos por 20 anos. Analisado sob a ótica classista foi rigorosamente um golpe do capital contra o trabalho, com o agravante de ter sido fomentado e instruído pelos EUA.

O golpe foi coroado com a eleição de Jair Bolsonaro em 2018. Barroso e ministros do STF também contribuíram para este resultado ao se curvarem às ameaças golpistas do general Villas Bôas e adiarem o julgamento de um Habeas Corpus impetrado pelos advogados do Lula. Preso e condenado injustamente por Sergio Moro, o ex-presidente não pode participar das eleições, o que permitiu a eleição do mito da extrema direita.

Diante da tragédia política, econômica, ambiental, sanitária, moral e social a que o Brasil foi conduzido pelo golpe Barroso e muitos outros que contribuíram para este lastimável e perturbador cenário demonstram arrependimento, ainda que sem a coragem de dar nome aos bois ou ensaiar uma autocrítica.

Seja como for, o reconhecimento tardio do ministro ajuda a consolidar a opinião de que o Brasil foi vítima de um golpe em 2016, uma ruptura democrática que serve aos interesses do imperialismo e dos grandes capitalistas, tendo por contrapartida a destruição das conquistas sociais, a degradação do setor público, o empobrecimento e embrutecimento da nação e do povo brasileiro.

Embora acuado pelas denúncias de corrupção, a mobilização popular e a tragédia sanitária, Bolsonaro continua fiel ao projeto de restauração neoliberal, acenando aos grandes capitalistas com a entrega da Eletrobras e dos Correios e o propósito, anunciado por Paulo Guedes, de “privatizar tudo”. A obra do presidente genocida só será interrompida pela ação do povo nas ruas.

Da CTB

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s