Uncategorized

Crise institucional ou caos planejado?

Jeferson Miola                                                   A ideia de que há uma crise institucional no Brasil é uma invenção diversionista do próprio governo para forjar um clima de tensão. O que existe é algo pior: […]

Crise institucional ou caos planejado?

Jeferson Miola                                                  

A ideia de que há uma crise institucional no Brasil é uma invenção diversionista do próprio governo para forjar um clima de tensão.

O que existe é algo pior: é um cenário planejado de caos; é a fabricação, pelo próprio governo, de um ambiente de tumulto e confusão.

O contexto de caos planejado é pior que uma crise circunstancial porque revela a existência de uma escolha consciente, pensada e deliberada, para jogar o país no abismo.

Crise institucional pressupõe conflito e impasse entre os poderes da República. Para que se instale efetivamente uma crise entre as instituições, é preciso que duas ou mais partes se digladiem. Como ensinam os argentinos, “para dançar um tango são precisos dois dançarinos”.

Não é isso, contudo, o que se observa no Brasil.

Os poderes da República não estão se digladiando. O que está ocorrendo, na verdade, são investidas unilaterais, metódicas e sistemáticas do Bolsonaro e dos generais contra o STF, sobretudo.

É bastante sintomático que o próprio presidente e dirigentes militares promovam este caos. Fazem isso porque pretendem deixar o país permanentemente em suspense e em modo pânico.

Em termos racionais e lógicos, todo governante almeja paz e tranquilidade para poder concretizar ao máximo seu programa de governo e, assim, aumentar as chances de reeleição. O governo militar, porém, opta por fazer exatamente o contrário disso.

Bolsonaro não governa. Ele só tumultua, gera instabilidade e conflitos permanentes.

Em quase três anos de mandato, não existe um único registro de Bolsonaro compenetrado, sério, trabalhando ao redor de uma mesa e reunido com técnicos e especialistas para analisar problemas e construir soluções. Isso não aconteceu – pasme! – nem mesmo em relação à pandemia.

De outra parte, entretanto, abundam situações de Bolsonaro liderando e promovendo arruaça e balbúrdia no país afora. E inclusive durante o horário de trabalho, usando estrutura estatal e dinheiro público.

As catástrofes econômica e humanitária, o morticínio de quase 600 mil pessoas; a pobreza, o desemprego e a fome que acometem mais de 100 milhões de brasileiros; a inflação maior que 10% em algumas capitais, o litro da gasolina acima de R$ 7, o botijão de gás a R$ 120 etc, não fazem parte das preocupações centrais do governo.

O clima de caos é funcional à estratégia de poder dos militares, porque assim eles desviam a atenção desta realidade trágica e os militares continuam sendo poupados de cobranças pela responsabilidade de deixar o país em destroços.

Além disso, o caos fornece o “caldo de cultura” instrumental ao pretexto de intervenção deles como o “poder moderador” que “garante” a lei e a ordem ante o ambiente de baderna, violência e tumulto produzido, ironicamente, por eles mesmos.

Não há hoje no Brasil uma crise institucional no sentido clássico da expressão.

Assistimos, isso sim, à fabricação de um clima caótico e instável para justificar atentados terroristas à democracia e à Constituição. O 7 de setembro é mais um ensaio desta estratégia.

* imagem da agenciacaos.com/por-que-o-nome-caos/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s