América Latina/Guerra Híbrida

Agente cubano infiltrado em círculos de oposição revela técnicas dos EUA para formar grupos e promover protestos antigovernamentais

Foto: RT

Do Jornal El Pueblo

Poucos dias depois da realização de uma manifestação não autorizada da oposição organizada pelo grupo Arquipélago, o Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, acusa os Estados Unidos de realizar ações desestabilizadoras e utilizar uma poderosa máquina de comunicação.

Em entrevista à RT, Carlos Leonardo Vázquez González, agente ‘Fernando’ dos Órgãos de Segurança do Estado de Cuba, que trabalhou disfarçado com oponentes, fala sobre o funcionamento dessa organização.

«Isso nada mais é do que o nascimento de um processo evolutivo que se conseguiu desde o exterior para buscar em Cuba, em nossa pátria, o confronto, o caos, a desordem da população civil com as forças armadas e a força da ordem pública», diz o agente.

Vázquez revelou sua identidade na noite de segunda-feira para desmascarar a nova manobra política orquestrada a partir dos Estados Unidos.

Em relação ao ambiente que existe na ilha, o agente menciona que um dos objectivos desta marcha é “dar uma imagem distorcida da realidade do que se passa através das redes, que hoje constituem uma forma muito rápida de mobilização da cidade. , mas acima de tudo de um setor muito específico da cidade que são os jovens.

Da mesma forma, após revelar a sua identidade, ‘Fernando’ deu a conhecer aos membros deste grupo cursos que eram ministrados fora do país. Em uma dessas oficinas para a qual foi convidado e que leva o nome de ‘Mudanças para Cuba, papel das Forças Armadas Revolucionárias em um período de transição em Cuba’, comenta que se tratava de um seminário ao qual “vamos falar sobre como trabalhar nas forças armadas revolucionárias, para enfraquecer ”. «É uma nova forma de lutar contra o inimigo para atingir o seu objetivo há tantos anos. Ou seja, é um golpe suave », acrescenta.

Essas oficinas foram ministradas por dois generais, segundo Vásquez. Nelas participaram “o general chileno Marcos Robledo, que foi subsecretário de defesa durante o governo Bachelet e um subsecretário geral de defesa durante um período na Espanha”, conclui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s