Sindical/Tecnologia/trabalho

Trabalhadores da Amazon fundam Sindicato nos EUA. Será a centelha que acenderá a consciência da Nova Classe Trabalhadora?

O título é meu e versa sobre esta esperança que pulsa no peito deste humilde blogueiro desde que começou a avassaladora “Revolução tecnológica” sem nenhuma participação dos trabalhadores e com milhões de postos de trabalho desaparecendo junto com muitas profissões que se surgiram durante a Revolução Industrial. A acumulação capitalista e a super exploração do trabalho através do uso de aplicativos e das novas tecnologias parece ter nos levado aos tempos do Feudalismo Medieval para a grande maioria dos trabalhadores e da humanidade. A consciência coletiva da Velha Classe foi engolida pela disseminação sem precedentes do individualismo levado ao extremo por algoritmos manuseados por poucos a serviço de cada vez menos bilionários que se veem donos não do mundo, mas do universo e sentem deuses, a ponto de decidirem sobre a vida de milhões num piscar de olhos.

Ver esta gurizada nova, forjada já dentro das novas profissões, criando um Sindicato, é muito esperançoso pra quem sabe que no fim e ao cabo, o mundo se move em função do trabalho, dos que trabalham, e dos que exploram o trabalho de quem trabalha.

A seguir o artigo que reblogo na íntegra, do DESACATO:

À esquerda, Jason Anthony, trabalhador da Amazon e ao lado, Christian Smalls, fundador da Amazon Labor Union (ALU), discursando durante a conferência de imprensa do lado de fora da National Labor Relations Board offices no Brooklyn. 1 de Abril de 2022. Foto: Jeenah Moon/Bloomberg via Getty Images

Fonte; Começa um novo capítulo para os trabalhadores do Amazon — Desacato

Por: Alex N. Press

Tradução: Cauê Seignemartin Amen

Em uma virada sem paralelo na história pós-Reagan do movimento trabalhista acaba de acontecer: os trabalhadores dos armazéns da Amazon nos Estados Unidos conquistaram o reconhecimento de um sindicato pela primeira vez. A votação supervisionada do National Labor Relations Board (NLRB) no JFK8, um centro de atendimento em Staten Island, foi de 2.654 a favor da Amazon Labor Union (ALU) e 2.131 contra, em uma instalação com 8.325 eleitores. As sessenta e sete cédulas impugnadas e onze nulas não foram determinantes, dada a margem de vitória do sindicato.

A contagem de votos começou, incrivelmente, no mesmo dia da reeleição em Bessemer, Alabama, onde o Retail, Wholesale and Department Store Union (RWDSU) ganhou terreno significativo. Lá, a contagem é de 875 votos a favor da sindicalização e 993 votos contra, mas com 416 cédulas contestadas, o resultado é muito próximo e dependerá da adjudicação dessas cédulas pelo NLRB em algum momento nas próximas semanas.

“Cada voto deve ser contado”, disse o presidente da RWDSU, Stuart Appelbaum, em comunicado ontem. “Os trabalhadores da Amazon enfrentaram uma luta desnecessariamente longa e agressiva para sindicalizar seu local de trabalho, com a Amazon fazendo tudo o que podia para espalhar desinformação.”

É difícil não ver todos os obstáculos que os trabalhadores de Nova York e Alabama enfrentaram para chegar tão longe. Além da taxa de rotatividade desordenadamente alta da Amazon, ameaças contra a construção de uma organização no chão de fábrica, documentos do Departamento de Trabalho divulgados ontem mostram que a Amazon gastou US$ 4,3 milhões em consultores que quebram sindicatos, uma quantia surpreendente para qualquer empresa. Normalmente, até as megacorporações levam anos para acumular esse tipo de conta com os especialistas profissionais anti-sindicais. Muitos dos consultores que lideravam reuniões de audiência estavam na verdade travando uma guerra da Amazon contra a organização – e recebiam US$ 3.200 por dia.

Em Staten Island, os trabalhadores disseram que os sindicalistas eram uma presença regular no JFK8. Eles escreveram os roteiros das reuniões e moldaram as mensagens antissindicais que cobriam os banheiros e corredores do armazém, que também eram enviadas aos trabalhadores por meio de correspondências, anúncios no Instagram, telefonemas, mensagens de texto e vídeos projetados em telas dentro do instalação. A ALU, por sua vez, é clara quanto às demandas dos trabalhadores: salário mínimo de US$ 30 por hora, aumento das folgas e dias de férias remunerados, pausas remuneradas durante o dia, representação sindical em quaisquer reuniões disciplinares e maior apoio aos cuidados infantis.

Embora seja certamente mais fácil organizar um sindicato em Nova York do que no Alabama, os líderes do movimento sindical enfrentaram nada menos do que prisões, com a polícia levando o presidente da ALU, Christian Smalls, juntamente com os trabalhadores Brett Daniels e Jason Anthony, sob custódia em 23 de fevereiro deste ano, depois que a Amazon chamou a polícia por causa de uma suposta invasão. A julgar pelo resultado da votação, esses esforços saíram pela culatra, fazendo a Amazon parecer mais repressiva e hipócrita do que nunca perante os olhos dos trabalhadores.

O esforço no JFK8 também é notável por outro motivo. A ALU é independente e não filiada a nenhum sindicato existente. Smalls, o fundador do sindicato, também é único. Ele foi lançado pela primeira vez na organização trabalhista quando, nos primeiros dias da pandemia, ajudou a organizar um protesto do lado de fora do JFK8 em resposta ao que considerou medidas inadequadas de saúde e segurança tomadas pela Amazon enquanto a COVID-19 assolava a cidade. Em resposta, a empresa o demitiu e gravações vazadas revelaram que os altos escalões da Amazon haviam elaborado uma campanha de difamação contra ele, com o conselheiro geral da Amazon, David Zapolsky, descrevendo Smalls como “não inteligente ou articulado” em uma reunião com Jeff Bezos.

Essa caracterização irritou Smalls, que há muito observa a falta de funcionários negros em cargos gerenciais de baixo escalão na Amazon – ele próprio teve promoções negadas por anos – como evidência de que o racismo está embutido na empresa. Isso o levou, como ele me disse durante o verão, a tentar “fazê-los engolir essas palavras”.

Tratava-se de alguém demitido de maneira pessoal e publicamente, que transformou o ressentimento que sentia pelo que seu empregador fez com ele e o direcionou para revidar. À luz da vitória, vale a pena citar a longa explicação de Smalls sobre como ele deu sentido à sua transformação de não ativista em militante, alguém determinado a organizar o JFK8:

É engraçado porque eu digo isso o tempo todo: a Amazon me preparou para isso. Mesmo não sendo um gerente, eu estava fazendo o trabalho de um gerente nos últimos quatro anos e meio. Os princípios de liderança que eu tinha na Amazon tornaram mais fácil para a minha transição para o ativismo.

Estou usando muitos dos princípios que aprendi na Amazon contra eles. O meu favorito é “ter uma espinha dorsal e comprometer-se”. Eles odiavam o fato de eu usar isso o tempo todo. Mas é provavelmente por isso que nunca fui promovido: eu tinha uma espinha dorsal, defendi o que achava certo e estou me comprometendo a ver a mudança. Outro princípio é “ver, possuir, consertar”, que provavelmente é um dos meus princípios – eu vi os problemas, admiti e agora estou tentando corrigi-los.

Ironicamente, quando eles planejaram me difamar, eles disseram que queriam me fazer a face pública do esforço sindical – essas foram as palavras deles. Então, de certa forma, estou tentando fazê-los engolir essas palavras. Não tenho mais nada para fazer. Ainda estou desempregado – não consigo arranjar emprego em lugar nenhum. Este é o meu trabalho em tempo integral e, desta vez, estou em uma equipe diferente.

Na primavera de 2021, Smalls começou a organizar seus ex-colegas de trabalho estabelecendo uma base em um ponto de ônibus nos arredores do JFK8, onde muitos dos trabalhadores do armazém passavam a caminho das instalações. Logo, outros empregados no JFK8 se juntaram ao esforço: Derrick Palmer, por exemplo, que foi anteriormente supervisionado por Smalls no JFK8 e que trabalha na Amazon há seis anos. O grupo organizou churrascos, distribuiu literatura, espalhou sua mensagem em aplicativos de rede social como o TikTok e construiu um comitê organizador dentro das instalações.

A Amazon manteve um fluxo constante de propaganda contra o esforço, mas a ALU também continuou. Como o Labor Notes relatou, o comitê organizador de 25 pessoas rebateu a mensagem da administração, falando sobre as preocupações dos trabalhadores. Agora, eles ganharam o primeiro sindicato da Amazon nos Estados Unidos. Enquanto acontece essa celebração histórica, o sindicato enfrenta outra eleição a partir de 25 de abril no LDJ5, um centro de triagem da Amazônia em Staten Island que emprega aproximadamente 1.500 trabalhadores.

A abordagem da ALU vai contra muito do que passa no senso comum dentro do movimento trabalhista. A ALU tinha poucos funcionários pagos, eles se candidataram a uma eleição com muito menos cartões sindicais do que o recomendado no mundo do trabalho, tinham um advogado contra o exército de especialistas jurídicos da Amazon e não tinham experiência em negociar um contrato. No entanto, a ALU insistiu que isso era uma vantagem, dado o método testado e comprovado dos empregadores do que é chamado de “terceiro partido” de um sindicato, que é quando o chefe pinta um sindicato como uma entidade externa, em vez de apenas composta pelos próprios trabalhadores. Embora isso seja propaganda para livros didáticos e os trabalhadores rotineiramente a contestem, observando que os sindicatos são dirigidos por aqueles que estão no chão de fábrica – explicando que não importa quais falhas os sindicatos existentes possam ter, cabe aos trabalhadores votar nos contratos ou rejeitá-los, eleger comitês de negociação e delegados sindicais — o caráter independente da ALU permitiu que os trabalhadores do JFK8 evitassem inteiramente o argumento do chefe.

Imagens do primeiro dia da contagem de votos do NLRB, no Brooklyn, ressaltaram o caráter de Davi e Golias na luta entre o sindicato independente e uma das empresas mais poderosas do mundo. Em uma foto, tirada por Lauren Kaori Gurley, da Vice, que cobriu a luta da ALU desde o início, os líderes da ALU ficam do lado de fora do prédio do NLRB, abraçados. Em outra, Smalls está sozinho, falando sobre os advogados da Amazon na sala de contagem de votos: “Adoro vê-los se contorcendo. Eles estão bebendo água feito loucos.”

Com esta vitória histórica vem o próximo desafio para a ALU: conquistar o primeiro contrato. Em um comunicado divulgado pela Amazon, a empresa diz que está “decepcionada com o resultado da eleição em Staten Island porque acreditamos que ter um relacionamento direto com a empresa é melhor para nossos funcionários”. “Estamos avaliando nossas opções, incluindo a apresentação de objeções com base na influência inadequada e indevida do NLRB que nós e outros (incluindo a Federação Nacional de Varejo e a Câmara de Comércio dos EUA) testemunhamos nesta eleição”, conclui o comunicado.

Nos Estados Unidos, os empregadores travando a mesa de negociação é a regra – alguns estudos mostram que menos da metade das unidades de negociação alcançam um primeiro contrato dentro de um ano após a sindicalização. A Amazon é a vanguarda do anti-sindicalismo e da ditadura patronal e, portanto, a probabilidade de se envolver nesta resistência é alta. É por isso que travou uma guerra contra esses incipientes esforços sindicais: a Amazon sabe tão bem quanto os trabalhadores que, uma vez que os funcionários de um local se organizam, abre um precedente e inspira os trabalhadores de outros lugares. Afinal, basta olhar para o que está acontecendo no Starbucks.

O movimento sindical mais amplo precisará recalibrar suas suposições sobre a organização da Amazon, dada a vitória da ALU, além de oferecer solidariedade aos trabalhadores à medida que avançam na luta por um primeiro contrato. A distância e as tensões entre a ALU e outros sindicatos são reais e não desaparecerão da noite para o dia. Mas será necessária a total cooperação do movimento trabalhista para espalhar a vitória da ALU para as centenas de instalações da Amazon nos EUA – e no mundo. A empresa emprega mais de um milhão de pessoas em todo o país – isso sem contar os motoristas e outros trabalhadores empregados indiretamente por meio de terceiros – e esse número só está aumentando à medida que a Amazon, atualmente o segundo maior empregador privado do país, envolve uma crescente parte da economia.

A Amazon é um império, com operações extensas que exercem influência sobre os trabalhadores de inúmeras indústrias. Ela tem muitos braços: Whole Foods, onde a Amazon monitora agressivamente a potencial organização e onde há esforços iniciais de sindicalização; Amazon Fresh, onde os trabalhadores em Seattle já começaram a se organizar; as legiões de trabalhadores de colarinho branco da Amazon, alguns dos quais foram demitidos por sua organização e que têm uma série de problemas no local de trabalho, mesmo que suas condições estejam a um mundo de distância das do JFK8; a força de trabalho que faz entrega, cujo salário é muito inferior ao de seus colegas sindicalizados na UPS e cuja própria existência mina os padrões desse setor.

Esses esforços de organização nos armazéns da Amazon são importantes para todos nós, sobretudo por existir dentro de um sistema de vigilância e controle em expansão iniciado pela Amazon. A vitória no JFK8 está a apenas um pé na porta. Mas quase todo mundo disse que os trabalhadores não conseguiriam chegar tão longe, que essas campanhas não dariam em nada, que a Amazon era grande demais para ser enfrentada até que o movimento trabalhista estivesse muito, muito mais forte. Essas considerações não eram infundadas, mas também não eram totalmente corretas. Enquanto a Amazon existir, ela deve ser organizada. Não há como contornar isso, e há trabalhadores assumindo essa tarefa. Agora é a hora de aprender com eles. É crucial para luta de classe que eles tenham sucesso.

4 pensamentos sobre “Trabalhadores da Amazon fundam Sindicato nos EUA. Será a centelha que acenderá a consciência da Nova Classe Trabalhadora?

      • Segundo o Gabriel Cohn da USP num vídeo dele a classe trabalhadora hoje está mais rendida ao capitalismo, mas intenções de fazer novos sindicatos ainda persistem como os entregadores antifascistas de SP e o sindicato dos trabalhadores da Amazon

        Curtir

      • Aqui no RS já temos o SIMTRAPLI, dos Motoristas em Aplicativos. Já tem milhares de associados e está implementando inclusive um Aplicativo próprio, autogestionado, através de cooperativa. Tem alguns artigos sobre eles aqui no Blog

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s