Uncategorized

Mais uma delação contra Temer e outra ação do MP e da Justiça para encobrir o Presidente Golpista

Mais sujo que pau de galinheiro, o poleiro dos dirigentes do PMDB esta tremendo diante do diário aparecimento de delações contra ela. Mas assim como no ninho tucano, no poleiro do PMDB também aguardam a ação amiga do Ministério Público, da Polícia Federal e da Justiça. Com estas novas denúncias contra Temer, outras ações cinematográficas da Polícia Federal contra o PT e a prisão desnecessária de petistas já é aguardada para a próxima semana. Virou palhaçada. Os corruptos estão encastelados no Senado, na Câmara e no Governo Temer. Há fragorosas denúncias, muito mais claras e evidentes que contra qualquer petista, mas quem vai preso são os petistas. Se eu fosse do MP ou ou da PF, teria vergonha das ações partidarizadas e golpistas que estas instituições vem tomando. Como não sou destas instituições, tenho é medo do que esta e ainda acontecerá com o Brasil e com os brasileiros. A Justiça parcial, o MP e a justiça envolvidos até o pescoço com o golpe em andamento no Brasil, o que pode advir é uma república jurídico policial, onde os plutocratas destas corporações ditam as leis. Estamos no limiar de uma nova ditadura, desta vez encabeçada pelo judiciário e cujo braço armado pode ser a Polícia Federal. A democracia suspensa com o golpe contra Dilma, esta sendo definitivamente enterrada pelas ações partidarizadas e parciais contra o PT e os petistas, com o único objetivo de encobrir os grandes corruptos que hoje governam. O acordo entre a plutocracia e o pior da corrupção, leva o Brasil a retroceder para antes da Constituição de 1988, liquidando programas sociais que viraram referência Mundial e privatizando todos os bens pátrios ainda existentes.

Vai matéria do Brasil 247 dando conta de mais uma bandalheira do MP e da Justiça Brasileira.

EMPRESÁRIO CONFIRMA PROPINA A AMIGO DE TEMER, MAS MP REJEITA DELAÇÃO

:

Em uma proposta de delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, o empresário José Antunes Sobrinho, um dos donos da construtora Engevix, afirma e dá detalhes de como o presidente interino Michel Temer recebeu uma propina de R$ 1 milhão para que a Engevix ficasse com o contrato para as obras da usina de Angra 3; revelação é da revista Época deste fim de semana; o contrato, no valor de R$ 162 milhões, fora vencido pela Argeplan, cujo sócio é o ex-coronel da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, o “homem de total confiança de Michel Temer”, que subcontratou a Engevix; pagamento teria sido executado por uma prestadora da Engevix a uma outra empresa do coronel Lima; Antunes Sobrinho diz também que chegou a se encontrar com Lima e com o próprio Temer no escritório do interino, no Itaim Bibi, na Zona Sul de São Paulo; proposta de delação foi recusada pelo Ministério Público; Janot não explica por que a proposta de delação foi rejeitada

Brasil 247 – Em uma proposta de delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, o empresário José Antunes Sobrinho, um dos donos da construtora Engevix, é categórico ao afirmar que o presidente interino Michel Temer recebeu uma propina de R$ 1 milhão, paga pela Engevix, pela obtenção de um contrato no valor de R$ 162 milhões para as obras da usina de Angra 3.

Segundo Antunes Sobrinho, o principal contrato de Angra 3 com a Eletronuclear, no valor de R$ 162 milhões, foi vencido pela empresa de arquitetura Argeplan, cujo sócio é o ex-coronel da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, descrito por várias pessoas como “homem de total confiança de Michel Temer”. Pelo acordo que teria sido firmado, a Argeplan se comprometeu a subcontratar a Engevix para realizar a obra. Em troca, a empreiteira pagaria R$ 1 milhão para “suprir interesses de Michel Temer”, de acordo com Antunes. Informação foi revela na edição deste fim semana da revista Época.

Segundo Antunes Sobrinho, o pagamento da propina a Temer foi feito por meio de uma prestadora de serviços da Engevix, a Alúmi Publicidades, que prestava serviços de mídia para o aeroporto de Brasília, controlado pela Engevix. Segundo a Época, A Alúmi fez o pagamento à empresa PDA Projeto, de propriedade do coronel João Lima. As duas empresas confirmam a transação, mas negam se tratar de propina.

De acordo com a proposta de delação de Antunes, Lima ganhou a licitação para a obra em Angra 3, em maio de 2012, por ter forte influência sobre Othon Pinheiro, presidente da Eletronuclear nos governos Lula e Dilma. Temer e Lima eram responsáveis pela manutenção de Othon no cargo, diz Antunes em sua proposta de delação.

O ex-dirigente da Engevix diz ainda que chegou a se encontrar com Coronel Lima e com o próprio Michel Temer no escritório do presidente interino no Itaim Bibi, na Zona Sul de São Paulo. Houve pelo menos dois encontros, de acordo com a proposta de delação.

Advogados de Antunes tentam, desde novembro do ano passado, fechar um acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República. Mas a proposta foi recusada formalmente pelo colegiado de três procuradores que representava o procurador-geral, Rodrigo Janot. O Ministério Público não informa oficialmente o motivo da recusa às revelações de Antunes, que só podem ser usadas como ponto de partida em investigações criminais caso seja assinado um acordo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s