trabalho

Centrais sindicais convocam greve geral para 11 de novembro

Representantes dos trabalhadores fazem oposição às reformas propostas pelo governo de Michel Temer

Além das reformas previdenciária e trabalhista, os sindicalistas vão incluir na pauta da greve a PEC 241 - Créditos: CUT
Além das reformas previdenciária e trabalhista, os sindicalistas vão incluir na pauta da greve a PEC 241 / CUT

Do Brasil de Fato

Em oposição à reforma da Previdência, à reforma trabalhista e à PEC 241, as oito centrais sindicais definiram nesta quarta-feira (19) uma data para a greve geral: 11 de novembro. A ideia é que, neste dia, as categorias façam paralisações totais ou parciais, ou seja, de pelo menos hora.

O ato fará parte da Jornada de Lutas Contra a Retirada de Direitos no país, um calendário nacional de mobilização e paralisações contra as reformas propostas pelo governo de Michel Temer, elaborado em reunião na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Também estavam presentes a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), a Conlutas, a Força Sindical, a Intersindical, a Nova Central e a União Geral dos Trabalhadores (UGT).

Já na próxima segunda-feira (24), haverá um ato em Brasília contra a PEC 241, que deve ser votada em segundo turno na Câmara dos Deputados no mesmo dia.

Pauta

As organizações são contra a reforma da Previdência, que quer estabelecer a idade mínima de 65 anos para aposentadoria e equiparar as regras de homens e mulheres. Também são contra a reforma trabalhista que flexibilizaria a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e faria com que o negociado entre patrão e empregado prevalecesse sobre o legislado.

Além disso, protestam contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que congela os gastos dos serviços públicos pelos próximos 20 anos.

Repercussão

Após as mobilizações do dia 11 de novembro, as centrais sindicais voltarão a se reunir para definir os detalhes sobre os atos do dia 25 de novembro. Segundo o presidente da CUT, Vagner Freitas, o que não muda são os propósitos finais da agenda de lutas.

“Será uma jornada de acúmulo de forças, estaremos nas ruas dia 11 e 25 e seguir caminhando rumo à greve geral, se os governantes não entenderem que não podem retirar os direitos da classe trabalhadora”, encerrou Freitas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s