jUDICIÁRIO/Lula

Depois de Lula decidir manter candidatura, Gilmar e o STF mantem ele na prisão

STF invoca “princípio do corporativismo” para manter Lula preso. Gilmar vota depois que Lula decidiu seguir candidato em defesa da Democracia e do Brasil

O voto de Gilmar Mendes assim como o de Rosa Weber, de votar contra suas próprias convicções para ficar com a maioria que só vira maioria por eles votam contra suas convicções é o que virou o judiciário brasileiro: cupinchas de entreguismo e adeptos da aristocracia imperial.

Não se pense que tão “estudados” juízes não saibam o que estão fazendo e que só pensam nos interesses da “corporação”. Eles sabem e fazem questão de manter o golpe até o fim, para que se concluam as entregas do patrimônio nacional ao capital financeiro internacional. O Golpe ainda não foi concluído.
Quanto aos que querem reconquistar os direitos perdidos e repor o Brasil no caminho da democracia, não pensem que isto se resolverá apenas nas eleições de 2018. Há que termos a paciência de reconstruir caminhos antigos e abrir novos para trilharmos e caminhar iluminados pela esperança de dias melhores que não sairão das urnas mas da luta cotidiana que só acontece quando a luta de classes fica clara diante dos olhos de todos.

STF invoca “princípio do corporativismo” para manter Lula preso

Caiu o último bastião do “garantismo” no STF, a Segunda Turma. Isto significa que a temporada de Lula preso tende a ir além do rigoroso inverno que se avizinha em Curitiba.

Dito isto, a prisão política do ex-presidente — aos olhos do Supremo — tem que cumprir a função de afastá-lo da eleição deste ano. Afinal, os ministros da Segunda Turma ou do plenário não têm a intenção de liberá-lo para disputar e vencer em outubro.

Os votos dos ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Tofffoli, que em tese seriam contra a antecipação da pena para condenação em segunda instância, deixam claro que a presunção da inocência não vale para Lula. Eles invocam o “princípio do corporativismo”, isto é, mesmo que o encarceramento do petista seja ilegal, houve uma decisão anterior de plenário contrária ao habeas corpus.

A defesa argumentou que a condenação pelo juízo da primeira instância (Sérgio Moro) condenou Lula sem provas no caso do tríplex. Os ministros concordam com o alegado, mas dizem respeitar o “princípio da colegialidade” — o raio do corporativismo do Supremo.

Portanto, o “garantismo” de alguns ministros do STF é da ‘boca para fora’ haja vista que continuam atendendo aos interesses políticos do golpe de Estado.

Até a última contagem extraoficial, o placar está 4 votos a 1 pela manutenção de Luiz Inácio lula da Silva com preso político na capital paranaense.

O julgamento virtual do recurso do petista será concluído às 23h59 desta quinta (10) em plataforma eletrônica supostamente sigilosa.

Com informações do Blog do Esmael

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s