Uncategorized

Jovens europeus veem menos notícias na TV, mas estão nos sites de jornais

Leia a tradução do Nieman Lab para PODER 360

O texto fala sobre o maior uso das mídias online em comparação as mídias impressas ou televisivasReprodução/Nieman

*Por Laura Hazard Owen

Uma nova pesquisa do Pew Research Center descobriu que jovens de 8 países da Europa Ocidental confiam menos na mídia tradicional do que seus conterrâneos mais velhos. Pessoas com menos de 30 anos também têm muito mais probabilidade de receber notícias on-line do que pela televisão, e estão ainda menos propensos a consumir impressos.

Em todos os países pesquisados, eles têm menos probabilidade de apontar a mídia pública como uma das principais fontes de notícias do que os mais velhos –mas é mais provável que “nomeiem uma marca de jornal ou revista como sua principal fonte de notícias” do que adultos mais velhos.

Os europeus ocidentais com menos de 30 anos também são particularmente críticos quanto à maneira como a mídia noticiosa cobre imigração, economia e criminalidade no continente.

Foram entrevistados 16.114 adultos na Dinamarca, França, Reino Unido, Suécia, Espanha, Holanda, Itália e Alemanha. Eis algumas das conclusões do relatório divulgado na 3ª feira.

MAIS JOVENS SE AFASTANDO DA TV E DE IMPRESSOS, MAS NÃO DE SITES DE JORNAIS

Menos da metade dos entrevistados consome notícias pela TV “ao menos uma vez ao dia” –exceto na Espanha e na Itália, onde “cerca de ⅔ dos adultos jovens consomem programas noticiosos pela televisão diariamente”.

Embora os jovens sejam menos propensos que os mais velhos a ler notícias impressas, eles confiam nas marcas dos jornais. Talvez de forma semelhante, o Reuters Institute For The Study of Journalism observava pouco antes do início do ano que, em 37 países, pessoas com menos de 45 anos têm maior probabilidade de pagar por notícias do que pessoas com mais de 45 anos.

JOVENS CONSOMEM NOTÍCIAS DAS MÍDIAS SOCIAIS –NORMALMENTE DE FONTES COM AS QUAIS ESTÃO FAMILIARIZADOS

Não é de se surpreender que os jovens europeus ocidentais tenham “muito mais costume de obter notícias sobre mídias sociais do que os adultos mais velhos”. Mas não pense nisso como notícias de contas aleatórias de mídia social: entre 18 e 29 anos, as pessoas entrevistadas são “mais familiarizadas com as fontes de notícias que encontram nas mídias sociais do que aquelas com mais de 50 anos”.

Talvez seja curioso o fato de “poucos europeus ocidentais, independentemente da idade, acharem que as notícias que veem nas redes sociais refletem suas próprias opiniões”. Na mesma linha, “na maioria dos países pesquisados e em todas as faixas etárias, poucos dizem que as notícias que discutem com os amigos refletem suas próprias convicções”.

AFASTAMENTO DA MÍDIA PÚBLICA

Jovens europeus ocidentais são menos propensos a confiar em organizações de notícias públicas do que pessoas mais velhas.

Nos países estudados que se encontram mais ao sul –como França, Itália e Espanha– a mídia pública não está entre as 3 principais fontes citadas pelos adultos mais jovens. Nos outros países pesquisados, embora as organizações de notícias públicas estejam entre as 3 melhores fontes principais, os adultos mais jovens não as nomeiam tão frequentemente quanto os mais velhos”.

A única exceção é o Reino Unido, onde a BBC é a “fonte de notícias mais nomeado em todos os grupos etários, citados por adultos, pelo menos de 4 em cada 10 em cada grupo de idade como a sua principal fonte de notícias”. No entanto, a BBC se demonstra preocupada em reter jovens espectadores na era da Netflix e do YouTube.

Um afastamento da mídia pública não significa 1 afastamento das empresas tradicionais de mídia em geral.

“[Jovens europeus] são mais propensos a nomear uma marca de jornal ou revista como sua principal fonte de notícias. Um exemplo notável é a França, onde o Le Monde é a principal fonte de notícias de 20% dos jovens abaixo dos 30 anos, comparado com 6% do público entre 30 e 49 anos, e apenas 2% dos acima de 50 anos. Os jornais são muito menos comuns como fonte primária de notícias entre grupos etários mais velhos em 8 países. Somente em 1 país –a Suécia– adultos com mais de 50 anos nomearam 1 jornal –Aftonbladet– a uma taxa de 5% ou mais como uma das principais fontes de notícias. Adultos com idade entre 30 e 49 anos nomeiam jornais como fontes principais em alguns países. Porém, geralmente a taxas menores do que aquelas abaixo dos 30 anos”.

Além disso, enquanto os europeus mais jovens confiam nos meios de comunicação social (em geral) menos do que os adultos mais velhos, confiam nos estabelecimentos de impressos a taxas mais elevadas que os adultos mais velhos.

Eis o relatório completo neste link.

__

*Laura Hazard Owen é vice-editora do laboratório. Anteriormente, foi editora-gerente da Gigaom, onde também escrevia sobre publicações digitais de livros. Começou a se interessar por paywalls e outras questões do Nieman Lab como redatora do paidContent.

__

O texto foi traduzido por Felipe Dourado. Leia o texto original em inglês.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s