PREVIDÊNCIA

POBRES NÃO VÃO MAIS SE APOSENTAR SE APROVAR REFORMA DA PREVIDÊNCIA DE BOLSONARO

Nos bairros mais pobres de São Paulo, onde moram quatro milhões de pessoas, a idade média ao morrer é inferior a 65 anos. Ou seja, se a idade para se apposentar for 65 anos, estes não se aposentam. Nos distritos mais ricos, a idade média ao morrer varia entre 75 e 80 anos. Estes, os mais ricos, se aposentam.

Atualização as 14:00 de 04/01 : Bolsonaro de forma populista diz que quer uma Idade Mínima Menor (62 anos) e não os 65 anos do Paulo Guedes. Mas complementa: A idade mínima de 62 valeria só até 2022. Durante este tempo Bolsonaro prtende fazer uma nova Reforma da Previdência. Ou seja: Paulo Guedes joga duro e Bolsonaro faz de conta que manda. Mas no fim dá tudo no mesmo. Hoje não há idade mínima para aposentadoria, mas sim o Tempo de Contribuição.

INSS Previdência Social Benefícios

Oded Grajew na Folha

Os pobres não vão poder se aposentar no INSS em 2019. A Constituição estabelece que “constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais”. Se fôssemos levar a sério essa determinação, todas as políticas públicas brasileiras deveriam ter como principal objetivo reduzir as nossas desigualdades.

As comissões de Constituição e Justiça que analisam no Congresso, nas assembleias legislativas e nas câmaras municipais a constitucionalidade dos projetos de lei deveriam avaliar em primeiro lugar se o projeto apresentado resultaria na redução das desigualdades. Isso está muito longe de acontecer. Senão, vejamos:

O Brasil é o nono país mais desigual do mundo. Segundo relatório da ONG Oxfam Brasil retratando as desigualdades brasileiras, o 1% mais rico da população recebe, em média, mais de 25% de toda a renda nacional, e os 5% mais ricos abocanham o mesmo que os demais 95%. E 80% da população, ou 165 milhões de brasileiras e brasileiros, vivem com uma renda per capita inferior a dois salários mínimos mensais.

A desigualdade de riqueza é também vergonhosa: o 0,1% mais rico concentra 48% de toda a riqueza, e os 10% mais ricos ficam com 74%. Por outro lado, 50% da população possuem cerca de 3% da riqueza do país.

Para uma organização ou um país darem certo, é fundamental o estabelecimento de relações harmoniosas entre seus membros. Essas relações só se estabelecem quando há entre as pessoas um sentimento de justiça. E a desigualdade causa um sentimento de injustiça e de revolta.

Não é por acaso que o nosso país é também o mais violento do mundo (63 mil assassinatos por ano). Não é por acaso também que os países de melhor qualidade de vida são também os de menores desigualdades e de violência (por exemplo, os países escandinavos).

A ONG Rede Nossa São Paulo elaborou o Mapa da Desigualdade da cidade. Comparou os indicadores sociais, econômicas e ambientais entre os 96 distritos de São Paulo. Um dos indicadores pesquisados é a idade média ao morrer. Nos 18 distritos mais pobres, onde moram aproximadamente quatro milhões de pessoas (33% da população), a idade média ao morrer é inferior a 65 anos. Nos distritos mais ricos, a idade média ao morrer varia entre 75 e 80 anos.

Na proposta da reforma da Previdência, um dos itens cogitados é o estabelecimento de idade mínima de 65 anos para todos. Por suas precárias condições de vida, por dificuldade de acesso a serviços básicos de saneamento, de habitação e de saúde, os pobres morrem antes dos ricos.

Se em São Paulo, a cidade mais rica do Brasil, para um terço da população, os mais pobres, a idade média ao morrer é inferior a 65 anos, imaginem como é no resto do país. Ao estabelecer a idade mínima para se aposentar, é preciso levar em conta que as pessoas pobres vivem em média bem menos que as pessoas ricas.

Pobres e ricos deveriam ter, no mínimo, os mesmos direitos de aproveitar a aposentadoria e, portanto, não poderiam ter a mesma idade mínima para se aposentar. A reforma da Previdência é necessária para equilibrar as contas públicas, mas deveria acima de tudo seguir a nossa Constituição e servir para reduzir as desigualdades.

Um pensamento sobre “POBRES NÃO VÃO MAIS SE APOSENTAR SE APROVAR REFORMA DA PREVIDÊNCIA DE BOLSONARO

  1. Só concordo com reforma apartir do momento que acabarem com as mordomias nos três poders nas estatais autarquias e o pagamento dos empresarios a previdência não é o pobre cidadão que individa o pais pelo contrario nos é quem fazemos o pais acontecer e a má administração e corrupção é que nos trouxe o caus portanto nos poupem pelo menos uma vez!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s