Uncategorized

Linha do tempo revela falhas na narrativa que atribui vazamentos da Lava Jato a hackers paulistas

Sergio Moro deitado sobre uma mesa.

Se o que Greenwald tem veio dos Hackers, Moro tem nas mãos as provas, que aliás, se acha no direito de destruir. O cara condenou Lula sem provas, por que não poderia destruir provas contra ele mesmo, que se provas forem, também vão ser provas para anularem a Lava Jato? Já se não foram os hackers, Moro e a PF passam vergonha e as provas continuam nas mãos do Greenwald e vão continuar saindo, uma a uma. Se fosse um país sério, Moro já teria sido demitido e estaria preso.

Mas em artigo de RODRIGO GHEDIN no Manual do Usuário, ele identifica falhas na narrativa de Moro e da PF que são de envergonhar a Polícia Federal que quer se igualar a Gestapo Nazista. Leia a seguir o Artigo na íntegra:

Nunca houve tamanha preocupação com segurança digital no Brasil como agora, resultado dos respingos flamejantes da divulgação de conversas comprometedoras via Telegram entre membros da força-tarefa da Lava Jato e o ex-juiz federal Sergio Moro pelo The Intercept Brasil (TIB) desde o início de junho.

Em sua atabalhoada estratégia de defesa, Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Jair Bolsonaro, apressou-se em atribuir a supostos hackers, presos pela Polícia Federal nesta terça-feira (23), a origem do vazamento obtido pelo TIB. Editores da publicação relembraram, via redes sociais, que nunca disseram que a fonte era um hacker. Esta não é a única incongruência na narrativa de Moro.

Uma linha do tempo expõe muitas falhas na argumentação do ministro.

No dia 4 de junhoMoro teve sua linha telefônica hackeada. De acordo com a Folha, o invasor teve acesso ao número por seis horas, período no qual trocou mensagens com outras pessoas se passando por Moro. Este soube que tinha sido vítima de “clonagem” ao ser avisado por um repórter da revista Época e quando recebeu uma ligação dele mesmo (!), o que fez com que ele solicitasse o cancelamento da linha.

Em nota divulgada na época, a assessoria de Moro disse que ele deixara de usar o Telegram havia dois anos, ou seja, em 2017. Isso é importante porque o Telegram exclui totalmente contas inativas há seis meses, com a opção de estender esse prazo a no máximo um ano. O invasor da ocasião não teria como recuperar as conversas pois elas já teriam sido excluídas pela plataforma há pelo menos um ano.

Telas do Telegram com opções para a exclusão automática da conta.
Imagens: Telegram/Reprodução.

No dia 7 de junhodurante um evento em Chapecó (SC), o próprio Moro confirmou o cancelamento da linha invadida e disse que o invasor não havia capturado dados seus. A fala na íntegra:

“Houve uma clonagem do meu celular, é o que nós levantamos, e que qualquer um pode ter o celular clonado. Não houve uma captação do conteúdo do dispositivo. Apenas eu tive que me desfazer da linha porque alguém acabou utilizando a mesma linha.”

No domingo seguinte, 9 de junho, o TIB soltou as primeiras reportagens da Vaza Jato. Diálogos envolvendo Moro e o procurador e coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, colocaram em dúvida a imparcialidade do então juiz Moro, uma prerrogativa constitucional de todo acusado, e que fora determinante na corrida presidencial de 2018 por tirar da disputa o então líder das pesquisas, o petista Lula. Moro beneficiou-se diretamente do resultado, ganhando uma vaga de ministro no governo de Bolsonaro, eleito presidente do Brasil.

No mesmo dia, notei que os diálogos tinham um personagem comum, Dallagnol, o que dava subsídio para sustentar a tese de que ele fora o vetor do vazamento, e não Moro. Dias depois, em 13 de junho, a Polícia Federal anunciou ter chegado à mesma conclusão.

Moro enrolou-se em sua defesa. Na mesma noite em que o TIB divulgou as primeiras reportagens, o ministro soltou uma nota dizendo que as mensagens não continham ilegalidades ou erros — confirmando, ainda que tacitamente, a autenticidade delas:

“Quanto ao conteúdo das mensagens que me citam, não se vislumbra qualquer anormalidade ou direcionamento da atuação enquanto magistrado, apesar de terem sido retiradas de contexto e do sensacionalismo das matérias, que ignoram o gigantesco esquema de corrupção revelado pela Operação Lava Jato.”

Depois, a estratégia mudou para descreditar a autenticidade das mensagens. No dia 2 de julho, na sabatina a que se submeteu na Câmara dos Deputados, Moro cometeu esta atrocidade contra a lógica:

“Eu não reconheço a autenticidade dessas mensagens. (…) Podem até algumas serem.”

O último desdobramento da defesa do ministro foi desviar o foco do conteúdo das mensagens para a maneira como elas foram obtidas, segundo ele, ilegalmente — ainda que a Constituição garanta o sigilo de fonte a publicações jornalísticas.

Neste ponto, a confusão aumentou ainda mais com a entrada de um perfil apócrifo com temática galinácea no Twitter que prometia revelar um suposto esquema envolvendo editores do TIB e hackers, reforçado por uma das reportagens mais vexatórias da história do jornalismo brasileiro, obra da revista Isto É, que ligava o vazamento dos diálogos a hackers na Rússia e em Dubai (?):

Capa da revista Isto É com o suposto hacker russo de Moro.
Imagem: Isto É/Reprodução.

Os hackers russos calharam de ser, na realidade, quatro estelionatários que vivem no interior de São Paulo, em cidades como Araraquara. Um dia após a prisão dos supostos hackers paulistas, 24 de julhoMoro foi ao Twitter e, talvez fazendo uso de dom premonitório que ainda desconhecemos, condenou os suspeitos e afirmou serem eles a fonte do TIB:

“Parabenizo a Polícia Federal pela investigação do grupo de hackers, assim como o MPF e a Justiça Federal. Pessoas com antecedentes criminais, envolvidas em várias espécies de crimes. Elas, a fonte de confiança daqueles que divulgaram as supostas mensagens obtidas por crime.”

O que não faz nenhum sentido a menos que ele tenha mentindo muito quando da invasão do seu celular.


As principais notícias de tecnologia e indicações de leituras no seu e-mail. Assine a newsletter (é grátis!):


Além disso, é preciso atentar à distância temporal entre a invasão e a publicação da primeira reportagem da Vaza Jato: apenas cinco dias. Glenn Greenwald, cofundador e editor do TIBdisse que o arquivo de conversas que eles têm “é maior que o arquivo que recebemos do Snowden”, em referência ao escândalo de espionagem da NSA nos Estados Unidos, em 2013.

Não diria que é impossível, mas seria no mínimo irresponsável a qualquer publicação apurar e colocar no ar uma reportagem de tamanha relevância com base em um arquivo tão extenso. Se alguém conseguir fazer isso em cinco dias, ainda mais em uma equipe pequena como a do TIB e com um resultado tão apresentável e detalhado (sem nem entrar no mérito do conteúdo), é um feito e tanto, digno de ser analisado e aprendido em todas as redações e faculdades de jornalismo mundo afora.

De qualquer forma, no texto em que explicam a metodologia das reportagens, publicado também em 9 de junho, os jornalistas do TIB disseram que a fonte havia entrado em contato “há diversas semanas” e que ela não teria relação com a notícia da invasão ao celular do Moro.

Todos têm direito à defesa, mas é preciso coerência no discurso. Não há base factual, pelo menos do que se sabe publicamente — conforme demonstrado acima —, que sustente a história de que os supostos hackers paulistas tenham vazado as conversas ao TIB. E, convenhamos: hackers que não se dão ao trabalho de esconder o próprio endereço IP e que usam Windows 10 minam ainda mais a credibilidade dessa narrativa.

Atualização (15h30h): Correção da data da prisão dos quatro hackers paulistas. O texto original dizia que elas haviam ocorrido na quarta (24), mas foram na terça (23).

Atualização (14h): para incluir a informação de que os jornalistas do TIB informaram que a fonte havia entrado em contato há “diversas semanas” e que ela não teria ligação com a invasão ao celular de Moro no dia 4 de junho.

Foto do topo: PT/Flickr.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s