Justiça/Mundo

PERTURBADOR: CIENTISTAS PLANEJAM FUTURO EM QUE SEREMOS JULGADOS POR ROBÔS.

Nos últimos dias, o mundo mergulhou apaixonadamente nas eleições norte-americanas e nos efeitos profundos sobre a política, a geopolítica, a sociedade e a economia, que poderiam ter a vitória de Donald Trump. Milhares de meios de comunicação, especialistas, analistas, intelectuais, leitores e telespectadores em todo o mundo, ficaram submersos por dias discutindo o que parece ser um feito tremendamente crucial para o futuro do mundo.Mas, como temos vindo a detectar e sugerindo há algum tempo sobre este blog e seu blog irmão Gazzetta del Apocalipsis, há aspectos da nossa realidade que são muito menos chamativos, que passam despercebidos e muitas vezes parecem anedóticos e que ainda terão um efeito infinitamente maior na evolução do ser humano, que a presidência de um ou outro candidato nos EUA.

Nós estamos falando sobre o desenvolvimento de novas tecnologias de inteligência artificial e robótica.

Alguma coisa infinitamente mais importante e crucial que a escolha de Trump ou as recentes declarações de Putin ou Obama no poder, ainda que para muitas pessoas possa parecer o contrário.

Aqui nós apresentamos um par de notícias que temos encontrado na mídia padrão e que mostram o que o mundo pode ver no futuro não muito distante: as pessoas julgadas no tribunal, não por um juiz ou um júri, mas por um inteligência artificial.

Começa o desenvolvimento de “Juízes Robôs” de Inteligência Artificial (IA).

Um novo sistema de IA poderia ajudar os tribunais a decidir se as pessoas são inocentes ou culpadas.

Pesquisadores da University College London, da Universidade de Sheffield e da Universidade da Pensilvânia, forneceram a sua máquina informação chave sobre 584 casos relacionados com os artigos 3º, 6º e 8º da Convenção Europeia dos Direitos Humanos e pediu para determinar se houve uma “violação” ou “não violação” dos direitos humanos em cada caso.

O computador analisou o texto de cada documento através de um algoritmo de aprendizagem e pode dar o mesmo veredito de que os seus homólogos humanos em 79% dos casos.

A esperança dos promotores do projeto, é que a máquina ajudará algum dia as empresas advocatícias a escolher quais casos de direitos humanos pode ajudar.

Dr. Nikolaos Aletras, da University College London (UCL), disse:

“Nós vemos um futuro onde a Inteligência Artificial, eventualmente, substituirá os juízes ou advogados, mas acreditamos que seria útil em identificar rapidamente os padrões nos casos que levam a certos resultados.

Também poderia ser uma ferramenta valiosa para destacar quais casos são mais propensos a representar uma violação da Convenção Europeia dos Direitos Humanos”.

A máquina analisou a linguagem utilizada nos documentos e ligou essas informações com fatos relacionados aos casos que lhe ajudaram a prever os resultados, de acordo com o artigo publicado em PeerJ Computer Science.

O autor, Dr. Vasileios Lampos, também da UCL, disse:

“Estudos anteriores previram com base na natureza do crime ou na posição política de cada juiz, pelo que esta é a primeira vez que os ensaios foram previstos usando a análise do texto preparado pelo tribunal.

Esperamos que este tipo de ferramenta melhore a eficiência dos tribunais de alto nível, mas para se tornar uma realidade, precisamos testá-lo contra mais artigos e dados de casos perante o tribunal.” fonte: express.co.uk

Em Sputnik, nós encontramos uma outra versão dos mesmos desenvolvimentos tecnológicos, desta vez na Rússia…

Justiça imparcial: Rússia desenvolve um robô-juiz.

Estudantes de faculdades de Direito, Matemática e Programação da Universidade Federal de Kazan (Rússia) trabalham em um projeto conjunto para desenvolver um algoritmo autônomo capaz de emular o trabalho de um juiz.

“Eu gostaria de ver um sistema que é capaz de oferecer variantes possíveis de julgamentos com base em dados disponíveis. Se não tiver informações suficientes para emitir um veredicto, o programa deve mostrar exatamente o que está faltando”, disse Ilshat Gafurov, Reitor da Universidade de Kazan, ao elevar a tarefa para a equipe de pesquisadores.

Prevê-se que este “robô-juiz” realize um escrutínio imparcial com base na análise detalhada da legislação do país e precedentes judiciais, o que reduziria significativamente a influência de preconceitos, emoções, inclusive delitos deliberados tais como a corrupção.

“É claro que não pretende transferir a autoridade judicial nas mãos de máquinas – o veredito deve ser sempre tomado por uma pessoa. No entanto, é crucial criar um sistema deste tipo que facilite chegar a uma decisão justa”, observa o comunicado do escritório do imprensa da KFU.

Ao mesmo tempo, os jovens cientistas salientam que haverá um grande desafio, ensinar o ‘robô-juiz “como interpretar as ambiguidades no texto, que é um desafio para qualquer sistema de assistência desse tipo.

O projeto de um advogado eletrônico chamado Ross, já foi conduzido pela IBM com base em seu algoritmo Watson.

No entanto, qualquer outra nação que buscar incorporar esta tecnologia está destinada a seguir o seu próprio caminho. Porque as diferenças não são apenas nas próprias leis, mas também no sistema inteiros das leis – Direito Romano, Anglo-Saxão ou outro – exigem algoritmos e abordagens muito diferentes.

Assim, o volume das alterações pode ser igual ao desenvolvimento de um algoritmo próprio. Em breve eles vão formar pelo menos dois grupos com jovens cientistas – um liderado por representantes de especialistas juristas, enquanto o outro vai abranger apenas os matemáticos e informáticos -, conforme relatado pelo escritório de imprensa da Universidade. fonte: Sputnik News

Como podemos ver, essa idéia está sendo desenvolvida simultaneamente em várias partes do mundo, como se isso esteja destinado a formar parte do nosso futuro, inevitavelmente.

Na verdade, ousamos dizer, que tudo isso é uma parte essencial do que será a Nova Ordem Mundial e a prova disso é que as notícias nos mostram que se desenvolve igualmente pólos enfrentados na configuração dessa Nova Ordem Mundial, como Reino Unido e Rússia.

Em ambos notícias temos detectado o mesmo argumento falsificador: “estas máquinas não irão substituir os juízes humanos.”

Uma afirmação que ousamos qualificar como mentirosa, então é lógico que uma vez que estas tecnologias sejam desenvolvidas e aperfeiçoadas, as próprias pessoas tendem a dar-lhes o poder de decidir, acreditando que são imparciais e incorruptíveis.

De modo que ninguém se engane: esses juízes-robôs, não sendo desenvolvido com o propósito de “ajudar a julgar os humanos” mas para substituí-los nesta tarefa, da mesma forma que as máquinas das fábricas não estão lá “para ajudar os trabalhadores a fazer o seu trabalho”, mas para substituí-los.

Sabemos que para muitas pessoas esse tipo de notícia parece sem importância.

Parece que para muitas pessoas, as palavras “Robô” ou “Inteligência Artificial” soa para eles um filme de ficção científica ruim.

E torna-se muito difícil fazê-los entender como muito errado eles estão em sua posição.

O desenvolvimento da Inteligência Artificial é infinitamente mais importante e transcedental do que qualquer questão política, por uma razão muito simples: é que as questões políticas têm uma influência sobre a geopolítica, a sociedade e a economia; No entanto, o desenvolvimento da inteligência artificial terá um impacto direto sobre a nossa essência como seres humanos e abrangente em tudo, incluindo os aspectos acima referidos.

Durante séculos, o mundo tem sido sujeito às vicissitudes cíclicas e repetitivas da política e economia e apareceram milhares de líderes que causaram efeitos em tais expressões da sociedade humana. E todos os temos superado e o mundo continuou a repetir estruturas parecidas ou análogas nas áreas de política, economia ou sociedade. No entanto, o desenvolvimento tecnológico nunca se há repetido ciclicamente.

Por mais de rebusquemos no passado, nunca na história se tinha chegado a resolver o futuro da espécie em relação à sua própria essência, tanto física como mentalmente e mesmo espiritualmente.

Estamos, portanto, no momento mais crucial na história humana, como já alertou Gazzetta del Apocalipsis e o que está a sendo posto em jogo não é o que fazemos ou deixamos de fazer, mas o que será a partir de agora.

Os leitores mais acostumados com a teorias da conspiração mais diversas que inundam as redes estão amplamente familiarizados com as teorias sobre uma Nova Ordem Mundial e todos eles sabem neste tempo está sendo travada uma luta entre os apoiantes de uma Nova Ordem Unipolar controlada pelos EUA e uma Nova Ordem Multipolar defendida pelos adversários como a China ou a Rússia.

No entanto, esses mesmos leitores têm esquecido ou podem ter falhado em detectar que a verdadeira chave para a Nova Ordem Mundial, não é como a plataforma será organizada, mas o que a espécie humana se tornará e que efeito terá esta transformação na consciência dos indivíduos.

Falamos sobre isso em um artigo há alguns meses: Pensamento em série: Você é quem pensa ser que é?

Podemos ter-nos todos nos distraído com o barulho incessante de notícias políticas e os constantes altos e baixos econômicos e sociais, e nós esquecemos do que é realmente essencial.

Claro, é muito mais fácil falar sobre a mais recente palhaçada dita por um político ou de algo que pode ser moldado com um título que discutir sobre temas profundos e realmente difíceis de abordar, que também não têm desenvolvimento imediato que possamos vemos em algumas horas ou dias, mas parte de um longo processo que vai levar anos ou décadas para entender.

Mas não se engane: política, economia, e até mesmo a guerra, são os menores dos nossos problemas. Trump, Obama, Putin ou até o mais destacado dos elitistas, vai, morrer e desaparecer.

Mas a essência do problema no que estamos entrando como espécie, seguirá crescendo e vai tomar posse das nossas vidas, sem nos possamos perceber.

Infelizmente, a maioria das pessoas e talvez muitos de nossos leitores, tendem a pensar que o desenvolvimento tecnológico é natural e vão nos acusar de alarmistas, dizendo que a espécie já experimentou muitos avanços tecnológicos e continuamos a fazer progressos.

Essas pessoas fazem o erro comum de extrapolar os efeitos de experiências passadas para os potenciais efeitos futuros dos nossos desenvolvimentos tecnológicos, algo absurdo, pois o homem jamais esteve antes em um cenário que fosse colocado em jogo a essência da sua própria mente, por exemplo.

Contemplamos isso em um artigo há alguns meses na Gazzetta: A GRANDE DECEPÇÃO DO PROGRESSO

Essas mesmas pessoas, comete um erro fundamental: considerar as futuras máquinas e a inteligência artificial como algo externo a nós, algo estranho à nossa natureza humana, algo como a extrapolação de um aparelho eletrodoméstico muito avançado; quando na realidade estamos a falar da criação de novas entidades cuja natureza ou definição como ser vivo ou como máquina, será difícil de se chegar a conclusão e cuja capacidade de processamento nos superará em muito. E tudo isso vai levar, naturalmente, a sermos absorvidos por elas, que vamos nos integrar a estas invenções criadas por nós e vamos deixar de ser humanos, tal e como nós somos agora. Seremos outra coisa.

É curioso como os grandes defensores das antigas essências, aqueles que tão ferozmente lutam para preservar as identidades nacionais, culturais e religiosas e evitar que sejam diluídas pela globalização, têm deixado passar algo muito mais importante, como é a conservação da essência do ser humano, que é o que realmente está sendo tratado aqui.

Se eles querem que seja fácil e que alguém lhes resuma o enunciado do problema, para que eles possam ler uma manchete, vamos tentar.

A questão-chave e verdadeiramente importante sobre o que devemos pensar todos, poderia ser resumida em algumas perguntas:

  • Queremos preservar o que somos como seres humanos ou permitir-nos a tornar-se uma mistura de máquina e pessoa, tanto física como mentalmente?
  • Queremos governar a nós mesmos, com todas as nossas imperfeições, contradições e paradoxos, ou preferimos que nos dominem, julguem ou governem instrumentos tecnológicos criados por nós mesmos?
  • Queremos ser indivíduos que lutam para preservar a sua identidade distinta em uma sociedade humana, ou permitiremos que nossas identidades individuais sejam diluídas para formar parte de uma mente da colmeia?

É disso que se trata. É tão simples como isso. E tão importante.

Assim, nem que seja por algumas horas, esqueça os Trumps, Putins, Obamas ou mortais lideranças de turno a nos torturar todos os dias e fazer exercício mental para olhar 100 anos no futuro e imaginar o que queremos que seja a espécie humana então… porque então o que vai acontecer dentro de um século dependerá em grande parte do que vamos decidir, aqui e agora, neste momento crucial para a evolução humana.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: El Robot Pescador

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s