Uncategorized

ENTREGADORES DE APLICATIVOS EM LUTA SINALIZAM TOMADA DE CONSCIÊNCIA DE CLASSE DESTES TRABALHADORES ??

São milhões de trabalhadores de aplicativos atuando com suas bicicletas e carros para nos entregar comida, encomendas e motoristas nos transportando pra todo lado. Não são no entanto “autônomos” e nem “empreendedores”. Trabalham muito e só no futuro sentirão o violento desgaste de seus corpos.

Tal qual a Classe Operária no começo da revolução industrial, estes trabalhadores da nova era, os Info proletários, como os chama Ricardo Antunes, são submetidos a jornadas de trabalho extenuante de até 14 horas diárias de trabalho, recebendo R$ 3,50 em média por entrega e que requer em média 5 km de pedalada. Enquanto isto os donos dos aplicativos aumentaram suas fortunas garantidas em cima do lucro advindo do trabalho dos entregadores de forma avassaladora durante a pandemia.

Vários artigos já publiquei neste blog sobre o tema que podem ser lidos nestes links. Logo após, segue artigo de Dandara Fonseca, publicado na Revista Trip:

Info-proletários, os trabalhadores super explorados que as lideranças tem dificuldade de enxergar (Vídeo)

A nova Classe trabalhadora superexplorada já sopra as faíscas que acendem a chama da Consciência de Classe (Vídeo)

Conversa ao Vivo com Tirza, Entregadora de APP em Porto Alegre e Guilherme de Uberaba #BrequeDosAPPs

Nós somos trabalhadores e queremos nossos direitos, diz o Galo, entregador de Aplicativo! Dia 1 de Julho é #BrequeDosApps (Vídeo)

Paulo Lima, o Galo, líder do grupo que pede melhores condições para a categoria, diz ter sido bloqueado pelos apps e encoraja a greve: ”A gente trabalha com o estômago vazio e comida nas costas”

POR DANDARA FONSECA Na Revista TRIP

Nesta quarta-feira, dia 1º de julho, entregadores de aplicativos cruzam os braços para cobrar melhores condições de trabalho numa paralisação batizada de “Breque dos Apps”. A greve é resultado de um debate ampliado por Paulo Lima, o Galo, que recentemente ganhou as manchetes ao reunir o grupo Entregadores Antifascistas para lutar por direitos para a categoria. Segurança, fim do sistema de bloqueios indevidos, melhor remuneração e alimentação estão entre algumas das reivindicações dos profissionais. “Nós não conseguimos ficar voltando para casa para comer, nem trazer marmita porque fica virando e azeda, e não temos dinheiro para comer fora todo dia. Então, muitas vezes, a gente trabalha com o estômago vazio e com comida nas costas”, conta Galo. 

Mas hoje o paulistano do bairro Jardim Guaraú diz não conseguir mais trabalhar como entregador. Ele afirma ter sido cancelado pelas empresas de entrega de comida depois de ter seu nome envolvido nas reivindicações da categoria. “Eu sofri um bloqueio oficial da Uber e um bloqueio indireto por parte da Rappi e do iFood”, afirma. “Se você é grevista, os aplicativos não te bloqueiam oficialmente para não ter problema judicial, mas param de te mandar pedidos”. 

Tudo começou com um vídeo publicado no dia 21 de março, no qual Galo – apelido que ganhou por causa da moto que usava para trabalhar – denunciava situações que enfrentava trabalhando durante a pandemia do coronavírus. Aproveitando o grande número de visualizações, ele criou um abaixo-assinado, que hoje conta com mais de 300 mil assinaturas, exigindo que os aplicativos disponibilizassem comida e kits de higiene para os entregadores. Ao ver que as movimentações estavam crescendo, foi atrás dos colegas para unir forças, mas não encontrou apoio entre os motoboys.

“Comecei a ouvir frases como: ‘O aplicativo está ruim pra você? Desliga e vai pra Cuba.’ Eu falava que nós estávamos em uma luta por comida e eles falavam que o aplicativo estava tirando eles de passar fome”, conta. “Foi aí que percebi que a mentira que os aplicativos contavam pegou: os motoboys estavam acreditando que eles eram empreendedores mesmo.” Galo decidiu, então, procurar os entregadores que trabalham com bicicletas por acreditar serem eles os profissionais que mais sofrem com as longas jornadas e as condições precárias de trabalho.  

Crédito: Acervo pessoal

Quando eclodiram as manifestações antifascistas e antirracistas, em junho, Galo resolveu ir ao ato em São Paulo para entender o funcionamento de um protesto – sonhando em, um dia, fazer algo semelhante pelas pautas dos entregadores. Chamou alguns colegas ciclistas e foi para as ruas. “Eles toparam e perguntaram qual era o nome do grupo. Eu pensei na hora: Entregadores Antifascistas”, diz. Acostumado aos protestos e reuniões do movimento negro, que frequenta desde pequeno, Galo tomou a frente do que ele conta ter sido o ato que marcou sua vida. “Teve um momento em que se abriu uma espécie de Mar Vermelho para os entregadores passarem, enquanto todo mundo batia palma. O quanto eles colocaram a autoestima no coração dos caras, no meu… E autoestima muda as pessoas, dá poder. Os Entregadores Antifascistas se estruturaram ali”, lembra. 

Por sua atuação à frente do grupo, ele já foi acusado de muita coisa. “Alguns acham que sou um ator contratado pelo [jornal] The Intercept para disseminar ideias comunistas entre os motoboys, outros que eu sou financiado pelo PT. Eles criam muita lenda”, diz. Mas Galo, como ele mesmo define, é uma das “crianças do hip-hop que amadureceram”. Foi nas letras de rap, nas reuniões do movimento negro e nas apresentações do sarau da Cooperifa, em São Paulo, que formou seu senso crítico. “As pessoas acham que eu li O Capital, que sou comunista. Nunca consegui passar das primeiras páginas, acho chato. A minha escola de política é o hip-hop”, afirma. 

O líder dos Entregadores Antifascistas deixa claro que o movimento não quer saber de violência e seu objetivo não é convencer ninguém. “Nós não somos um movimento de gado, que as pessoas vêm sem saber pelo que estamos lutando. Nosso grupo está crescendo porque estamos saindo por aí e falando a verdade”, diz. Galo afirma que, até agora, nenhum dos aplicativos de entrega tentou entrar em contato com o grupo para falar sobre as reivindicações, tampouco sobre o bloqueio que acusa ter sofrido, e que as empresas estão oferecendo recompensas aos entregadores que trabalharem no dia da paralisação. 

Procurado pela Trip, o iFood afirmou que “apoia a liberdade de expressão em todas as suas formas” e “em nenhuma hipótese entregadores são desativados ou sofrem punições por participar de movimentos”. A empresa afirma oferecer seguro de acidente pessoal aos colaboradores e que, desde o início da pandemia, foram implementadas medidas protetivas que incluem a distribuição de EPIs (álcool em gel e máscaras reutilizáveis) e a criação de fundos de auxílio financeiro para os trabalhadores que apresentarem sintomas ou que fazem parte do grupo de risco. A Rappi e a Uber não responderam ao contato da reportagem.

Mas nem os tantos percalços dessa batalha desanimaram Galo. Pelo contrário. Se transformaram em combustível, ele garante. “Se eu parar, dez pessoas querem entrar no meu lugar – olha como está o Brasil. Os aplicativos jogam com isso”, diz. “Nós queremos comida e depois vamos para a próxima. Uma luta de cada vez.” 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s