privatização/Rio Grande do Sul

Denúncia: Enquanto vende Estatais a preço de banana, Eduardo Leite apresenta Projeto que empobrece o Rio Grande e os gaúchos

Depois de vender a CEEE pelo preço de 7 pequenos transformadores de energia, a SULGÁS pelo valor do Faturamento anual da empresa e querer vender também CORSAN, BANRISUL e PROCERGS, Eduardo Leite apresenta na Assembleia Legislativa o Projeto de “Teto de Gastos” para os governadores que o sucederão, o que impedirá que o Estado invista em qualquer coisa, incluindo a EDUCAÇÃO, para a qual NÃO haveria MAIS CONCURSO PARA PROFESSORES, assim como para outras áreas fundamentais e necessária para o Estado, com a Saúde.

A mando de quem Eduardo Leite estaria realizando todas estas maldades? O cara que não se importou com o fato de Bolsonaro e Guedes fecharem a CEITEC, única fábrica de Chips de toda a América Latina, talvez queira usar até aquela área da empresa lá na Lomba do Pinheiro pra criar algum tipo de gado ou plantar um novo tipo de Soja Transgênica cheia de agrotóxicos, e destinada a alimentar os bichos dos estrangeiros, por que desenvolvimento que gere emprego, trabalho e renda pros gaúchos, ele não quer.

Menos mal que Prefeitos de todos os Partidos resistem a privataria na CORSAN, e que o povo esteja dizendo NÃO a vergonhosa venda dos bens públicos a preço vil ao capital financeiro.

Leia a seguir artigo sobre mais este golpe do Salafrário Pelotense, que vem enganando os gaúchos e quer enganar o Brasil.

Leite quer mais pobreza no RS nos próximos 10 anos

O governo de Eduardo Leite encerra no ano que vem, mas o Projeto de Lei Complementar que o governador protocolou na ALRS, quer impor a cartilha neoliberal de cortes, arrocho e aumento da pobreza por 10 anos ao Rio Grande do Sul. A proposta impõe teto para efetuar despesas em praticamente todas as áreas dos serviços públicos, com exceção da saúde e da segurança. Setores como a segurança pública, assistência social, habitação, saneamento, agricultura, meio ambiente, infraestrutura de estradas serão atingidos em cheio com os cortes.


Além de querer impor sua agenda para os próximos governos, Leite ainda prevê uma série de sanções para quem ultrapassar o limite dos gastos em alguma dessas áreas, entre elas a proibição de realizar concurso público ou contratar pessoal, a vedação de reajustes e de concessão de auxílios. Tudo isso num cenário em que o funcionalismo público se encontra há sete anos sem recomposição sequer da inflação nos seus salários.


Para o líder da Bancada do PT na ALRS, deputado estadual Pepe Vargas, o projeto segue a lógica de legalizar políticas de ajuste fiscal, tentando impor uma política de governo como uma política de estado. “Congela as despesas primárias, ao definir que só podem ser corrigidas de um ano para outro pela inflação medida pelo IPCA, ou seja, visa garantir o fluxo de transferências do setor produtivo e da sociedade para os pagamentos do sistema da dívida pública”, destaca Pepe.

“Este é o governador que se rendeu ao Regime de Recuperação Fiscal, que não lutou pelos recursos da Lei Kandir, que não apresentou projeto de desenvolvimento para o estado, que não comprou vacina para a população, que vendeu patrimônio público e que agora, no apagar das luzes do seu governo, quer deixar a conta para as gestões futuras e para o povo gaúcho”, resume Pepe.

Eliane Silveira – Mtb 7193 – Em 1º/11/2021

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s