Cultura/Fascismo/Porto Alegre

DEUS E O DIABO NA TERRA DE MARCHEZAN (Por André Rosa)

Por André Rosa no Facebook

Os atores Elizabeth Gasper e Zelão, que apresentavam a peça Roda Viva em Porto Alegre, foram espancados e sequestrados em 3 de outubro de 1968. A barbárie foi perpetrada por uma milícia chamada CCC (Comando de Caça aos Comunistas). O filme “A Última Tentação de Cristo” também foi alvo de protestos anos depois. Mais tarde, já beirando o século 21, uma exposição na Usina do Gasômetro também recebeu protestos e até ações judiciais. Agora, em pleno 2017, o Santander Cultural cancela uma exposição, cedendo a manifestações fascistas.

Merecerá, uma cidade como a nossa, receber mais alguma exposição de arte, ou produção cinematográfica, ou peça teatral? Afinal, arte e cultura estimulam a reflexão e são apanágio de coletividades nas quais a tolerância é praticada.

Arte e cultura são em sua essência expressões ditadas pela vontade livre do ato de criar e são muitas vezes contestatórias. É assim e assim deve ser em qualquer lugar. Mesmo na Capela Sistina do Vaticano onde talvez alguns gaúchos iriam se constranger ao ver esculturas com pintos e pererecas expostos, pinturas com viés homossexual. A arte não é passível de censura.

Se você não concorda com uma obra, criticá-la e nunca mais olhá-la. Mas jamais deve tentar contestar sua legitimidade como expressão artística. A não ser que desconheça o significado da palavra arte. Nesse caso, pessoas como a líder da facção gaúcha do Movimento Brasil Livre (MBL) e atual CC do governo Marchezan poderiam em uma simples pesquisa na internet ler uma conceituação segundo a qual “arte é a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepção, emoções e ideias, com o objetivo de estimular esse interesse de consciência em um ou mais espectadores, e cada obra de arte possui um significado único e diferente”.

Portanto, qualquer deturpação desse conceito, ainda mais quando exercida por extremistas em nome de Deus, nada mais é do que a censura à liberdade de expressão. Seja a partir de grosseiras manifestações contra a arte, seja na tentativa de impedir a educação libertária em pleno século XXI. Se assim for, cancelem a Feira do Livro e a Bienal do Mercosul. Tapem imagens e esculturas existentes na Catedral e igrejas da Capital, pois em alguns casos elas podem parecer pornográficas ou obras demonizadas. Proíbam seus filhos de irem à escola, infestadas de comunistas segundo o extremismo fascista. Não esqueçam também de queimar os livros.

Resta saber se, após esse ódio e intolerância exercida por partidários e secretário do prefeito,restará alguma arte em nossa cidade. Imputar ao conjunto da população o pensamento único é não reconhecer a diversidade do mundo em que vivemos. Se não houver resistência, estaremos fadados ao futuro sombrio de uma sociedade totalitária defendida por diabos travestidos de anjos.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s